Ano recorde para o agro brasileiro no mundo

Ano recorde para o agro brasileiro no mundo/ Foto: Unsplash
Foto: Unsplash

Confira artigo de Roberto Perosa, secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura e Pecuária

O ano de 2023 será lembrado como um marco histórico para o agronegócio brasileiro no mercado mundial. Um período marcado por grandes avanços, tanto em expansão de mercados quanto no aumento das exportações, além da contribuição para o maior saldo da balança comercial da história: US$ 98,8 bilhões.

Superando os números dos últimos anos, o Brasil consolidou sua presença internacional e alcançou novos recordes com a abertura de 78 novos mercados em 39 países. Resultados da retomada estratégica do diálogo e da diplomacia, liderada pelo presidente Lula e pelo Ministro Carlos Fávaro. O apoio incansável dos adidos agrícolas, embaixadores do agro brasileiro no exterior, também contribuiu para esse sucesso.

Essas conquistas incluem exportações inéditas, tais como as de carnes bovinas e suínas para o México e para a República Dominicana, o algodão brasileiro para o Egito, e o comércio de milho com a China, que é o maior parceiro comercial do Brasil e cuja relação bilateral vem sendo fortalecida.

Para se ter uma ideia, no ano passado, as exportações do agronegócio atingiram um recorde de US$ 166 bilhões, 5% a mais do que o registrado em 2022, chegando a 49% do total exportado do país. O que reforça que o agro segue sendo um pilar da economia brasileira, representando cerca de um quarto do PIB e empregando aproximadamente um quinto da população.

Em 2023, o Brasil passou a ser o maior exportador mundial de milho e farelo de soja, alcançando um total de 10 commodities nos quais lidera as exportações globais: soja, açúcar, café, suco de laranja, carne bovina, carne de frango, tabaco e celulose. Além disso, as proteínas brasileiras ganharam uma posição mais forte no mercado internacional, encerrando o ano com um aumento significativo no volume exportado: 9,2% em carne suína, 7,7% em frango e 1,2% em bovina.

Buscando potencializar ainda mais o agronegócio de forma sustentável, foi lançado recentemente o Programa Nacional de Conversão de Pastagens Degradadas. Esta iniciativa robusta e ambiciosa visa converter 40 milhões de hectares de pastagens degradadas em áreas agricultáveis nos próximos dez anos, com um investimento estimado em US$ 120 bilhões, de recursos oriundos do Brasil e do exterior.

A meta é dobrar a produção brasileira, com foco na rastreabilidade e na medição no balanço de carbono, posicionando-nos como líderes globais na produção de alimentos. Essa expansão trará, consequentemente, desenvolvimento para o interior do país, gerando empregos e renda.

O Brasil se consolida, assim, como uma potência agropecuária global e, em 2024, continuará a reforçar a resiliência e a sustentabilidade do setor. A sinergia entre governo e setor produtivo será fundamental para alcançar esses objetivos, mantendo o Brasil como um fornecedor vital de alimentos para o mundo e um exemplo de desenvolvimento sustentável na agricultura.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior
uFund acelera transformação digital da previdência privada em parceria com gigante americana Conduent
uFund acelera transformação digital da previdência privada em parceria com gigante americana Conduent/ Foto: Unsplash

uFund acelera transformação digital da previdência privada em parceria com gigante americana Conduent

Empresa global especializada em BPO aproxima pensiotech brasileira para oferta

Próximo
Em janeiro, motoristas que viajam pela Rodovia Régis Bittencourt pagam mais caro para abastecer com gasolina, diz Edenred Ticket Log
Douglas Pina, Diretor-Geral de Mobilidade da Edenred/ Foto: Divulgação

Em janeiro, motoristas que viajam pela Rodovia Régis Bittencourt pagam mais caro para abastecer com gasolina, diz Edenred Ticket Log

Régis Bittencourt é a rodovia mais cara para abastecer com gasolina, enquanto a

Veja também