Consórcio como caminho para a conquista da aposentadoria imobiliária

Tatiana Schuchovsky Reichmann, CEO da Ademicon / Foto: Divulgação
Tatiana Schuchovsky Reichmann, CEO da Ademicon / Foto: Divulgação

Confira artigo de Tatiana Schuchovsky Reichmann, CEO da Ademicon

Apesar de o mercado imobiliário ter passado por um momento dos momentos mais difíceis, por conta da pandemia, atualmente, ele tem apresentado um bom crescimento. Com o movimento de retomada da economia já é possível observar um aumento significativo na compra, venda e no aluguel de imóveis. Além disso, percebe-se que uma grande parcela da população já busca por imóveis para investimento e geração de renda, como forma de obter uma maior estabilidade financeira.

Segundo a pesquisa FipeZap, em 2022, o preço do aluguel residencial teve a maior alta em 11 anos, com um aumento de 16,55% nos novos contratos, quase o triplo da inflação no ano, de 5,79%, de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Tais números apontam para um cenário extremamente positivo para quem busca construir uma carteira de imóveis como forma de investimento e aposentadoria imobiliária.

Neste sentido, o consórcio é uma das melhores opções para a realização desta ideia, pois garante segurança, sendo que os bens adquiridos integram o patrimônio do cliente e não sofrem desvalorização ao decorrer do tempo.  O modelo também permite ao consumidor escolher o plano mais adequado ao seu orçamento atual; comprar diversos tipos de imóveis; e pagar um valor fixo mensal, sem cobrar juros e sem surpresas ou cobranças de taxas adicionais.

Segundo a Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios (ABAC), o segmento de imóveis é considerado o terceiro maior segmento da modalidade, em número de participantes, alcançando bons resultados. Somente no primeiro quadrimestre deste ano, o crescimento de 18,4% nas vendas de novas cotas e o aumento de 5,3% no tíquete médio mensal propiciaram 22,4% de avanço nos negócios neste setor, gerando oportunidades para investimentos econômicos visando a formação ou ampliação patrimonial.

É fato que grande parte da população depende da Previdência Privada ou do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para garantir sua aposentadoria, porém se consideramos o valor recebido muitos terão que reduzir sua renda mensal assim que se aposentarem, uma vez que, os valores a serem concedidos como benefício, normalmente são menores do que o salário que o trabalhador recebia enquanto exercia as suas atividades profissionais.

Assim, a melhor solução é planejar, investir e expandir seu patrimônio para viver com uma renda passiva recorrente, ou seja, com rendimentos extras que não dependem de esforço.

Uma dica importante para quem quer construir uma aposentadoria imobiliária, é calcular o quanto se pode separar de dinheiro para essa iniciativa, lembrando que quanto maior for o investimento, melhor será o patrimônio. Assim, fica claro que o futuro é construído por nós e que quanto mais cedo começarmos, maior será nossa renda garantida, sempre com foco no objetivo maior, o de se ter a tal almejada qualidade de vida, com segurança.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior
Liberty Seguros é destaque em prêmio do setor de Engenharia Civil
Rodrigo Catanzaro, superintendente de Riscos Patrimoniais da Liberty Seguros / Foto: Divulgação

Liberty Seguros é destaque em prêmio do setor de Engenharia Civil

Seguradora foi campeã da categoria de seguros residenciais em evento realizado

Próximo
BMG Seguros lança plataforma para novos corretores com tempo recorde entre cadastro e emissão
BMG Seguros realiza evento sobre linhas financeiras abordando soluções D&O e E&O/ Foto: Divulgação

BMG Seguros lança plataforma para novos corretores com tempo recorde entre cadastro e emissão

Processo que vai do cadastro do novo corretor à apólice emitida é abreviado de

Veja também