Dólar cai e encosta em R$ 5,46 após dados de emprego mais fracos nos EUA

Luiz Felipe Bazzo, CEO do transferbank / Foto: Divulgação
Luiz Felipe Bazzo, CEO do transferbank / Foto: Divulgação

Confira análise de Luiz Felipe Bazzo, CEO do transferbank

O dólar à vista ultrapassou a barreira dos R$ 5,65 nesta segunda-feira, 1º, e encerrou a sessão no maior valor em dois anos e meio, com profissionais do mercado citando novamente o desconforto com a política fiscal do governo Lula como principal motivo para a demanda pela moeda norte-americana, em um dia marcado ainda pelo avanço da divisa dos EUA no exterior.

O dólar chegou aos R$5,70 na terça-feira, 2, e renovou o recorde em 30 meses. O patamar não era visto desde 5 de janeiro de 2022, quando a moeda fechou em R$5,716. A desvalorização do real frente à divisa americana se dá em um momento de cautela no mercado, com investidores repercutindo negativamente as últimas declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Já na quarta-feira (03) um dia após atingir novo recorde, o dólar comercial operou com forte baixa perante o real em meio à expectativa pela reunião entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os ministros da área econômica para tratar do câmbio e da situação fiscal, enquanto no exterior o dólar também sustentou baixas ante a maior parte das demais divisas. Além disso, dados positivos do PMI de serviços por aqui contribuem para a queda da moeda americana. Já o Ibovespa, índice de referência do mercado acionário brasileiro, encerrou o dia com alta de 0,82%, a 125.804,68 pontos, maior patamar de fechamento desde 21 de maio.

Dados econômicos dos EUA na quarta-feira apontaram para uma moderação do mercado de trabalho e ampliaram o otimismo dos investidores por um corte na taxa de juros do Federal Reserve ainda neste ano, o que também ajudou na forte queda da divisa norte-americana no Brasil. Quanto mais o banco central dos EUA cortar os juros, pior para o dólar, que se torna comparativamente menos interessante quando os rendimentos dos Treasuries diminuem.

Na quinta-feira (04) o dólar seguiu operando em forte baixa frente ao real ampliando as perdas da véspera, à medida que diminui a preocupação dos investidores com o quadro fiscal brasileiro após falas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva que reafirmaram o compromisso do governo com as contas públicas. O dólar teve forte queda no Brasil na quinta-feira, voltando para abaixo de R$ 5,50, após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter interrompido, na véspera, a série recente de ataques ao Banco Central e à política monetária, reforçando, por outro lado, o compromisso do governo com o equilíbrio fiscal.

Houve mudança evidente do tom que vinha sendo utilizado pelo governo na segunda e na terça-feira. Então, o mercado se desarmou na quarta-feira, com a bolsa subindo, a curva de juros cedendo bem e o real se apreciando bastante, pontuou pela manhã Paulo Gala.

O Ibovespa abriu a sessão desta sexta-feira, 5, em queda de 0,38% aos 126.639 pontos. O destaque do dia é o payroll (relatório de desemprego) nos Estados Unidos, que é equivalente ao nosso Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), e serve como termômetro da economia americana.

A apreciação do real frente ao dólar na véspera foi atribuída às sinalizações de cortes de gastos pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).
O corte de R$26 bilhões visa cumprir o arcabouço fiscal, que estabelece regras para que o governo não gaste mais do que arrecada. Segundo o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), os cortes ocorreram através da identificação de benefícios sociais pagos de forma irregular, como aposentadorias por invalidez, auxílio-doença e Bolsa Família.

Às 11h05, o dólar comercial operava em alta de 0,71%, a R$5,525 na compra e R$5,526 na venda. Após dados de emprego nos EUA mostrarem um mercado em desaceleração, ainda que mais resiliente do que os analistas esperavam. A moeda americana chegou a subir firme e atingiu a máxima de R$5,533 ante o real, mas no final da manhã o movimento arrefeceu e a moeda passou, novamente, a desvalorizar. Às 12h49 a moeda americana caía 0,11%, a R$5,480. Às 14h, o dólar caía 0,06%, cotado a R$ 5,4838. O índice serve como termômetro da economia local e trouxe uma surpresa positiva no avanço da taxa de desemprego, que subiu de 4% em maio para 4,1% em junho, o que mostra um mercado de trabalho menos aquecido.

Total
0
Shares
Anterior
Mobiup é única empresa web3 vencedora do prêmio Innovative Workplaces 2024, da MIT Technology Review Brasil
Mobiup é única empresa web3 vencedora do prêmio Innovative Workplaces 2024, da MIT Technology Review Brasil / Foto: Divulgação

Mobiup é única empresa web3 vencedora do prêmio Innovative Workplaces 2024, da MIT Technology Review Brasil

Empresa se destaca entre as mais inovadoras do país ao criar BU dedicada à

Próximo
Visão rápida: eleição francesa levanta questões para a UE à medida que Le Pen fica aquém
Foto: Anthony Choren / Unsplash

Visão rápida: eleição francesa levanta questões para a UE à medida que Le Pen fica aquém

Confira análise de Jamie Ross, gestor de portfólios na Janus Henderson sobre as

Veja também