Grupo Bradesco Seguros

Em agosto, indústria recua em 7 dos 15 locais pesquisados

Com o recuo de 0,6% da indústria nacional de julho para agosto de 2022, na série com ajuste sazonal, 7 dos 15 locais pesquisados pelo IBGE apresentaram taxas negativas, com destaque para Pará (-6,2%), Santa Catarina (-4,8%) e Espírito Santo (-3,9%). Bahia (-2,8%), Minas Gerais (-1,9%), Paraná (-1,5%) e Ceará (-0,8%) completaram o conjunto de locais com índices negativos nesse mês, enquanto em Pernambuco a variação foi nula (0,0%).

Já Amazonas (7,0%) e Rio de Janeiro (3,3%) apontaram as maiores altas nesse mês. São Paulo (2,6%), Mato Grosso (2,1%), Goiás (1,8%), Região Nordeste (1,1%) e Rio Grande do Sul (0,1%) assinalaram os demais resultados positivos.

Frente a agosto de 2021, o setor industrial mostrou crescimento de 2,8%, com dez dos 15 locais pesquisados mostrando resultados positivos. Já na média móvel trimestral, houve recuo em oito dos 15 locais pesquisados.

O acumulado no ano foi negativo em oito dos 15 locais pesquisados, com destaque para Pará (-8,1%) e Ceará (-4,6%). Já o acumulado dos últimos 12 meses teve 12 dos 15 locais pesquisados com taxas negativas.

Indicadores Conjunturais da Indústria – Resultados Regionais – Agosto de 2022
Locais Variação (%)
Agosto 2022 /Julho 2022* Agosto 2022 /Agosto 2021 Acumulado Janeiro-Agosto Acumulado nos Últimos 12 Meses
Amazonas 7,0 13,4 3,6 -1,2
Pará -6,2 -8,7 -8,1 -7,9
Região Nordeste 1,1 6,0 0,6 -4,2
Ceará -0,8 -4,7 -4,6 -8,0
Pernambuco 0,0 5,0 -3,6 -4,6
Bahia -2,8 1,3 6,8 -0,5
Minas Gerais -1,9 -1,6 -2,1 -1,6
Espírito Santo -3,9 -12,2 -3,7 -2,9
Rio de Janeiro 3,3 6,4 3,8 4,4
São Paulo 2,6 4,5 -1,7 -4,0
Paraná -1,5 -2,2 -1,0 -0,9
Santa Catarina -4,8 0,7 -3,6 -4,5
Rio Grande do Sul 0,1 6,3 1,3 0,2
Mato Grosso 2,1 29,9 24,2 18,9
Goiás 1,8 4,5 1,7 -0,2
Brasil -0,6 2,8 -1,3 -2,7
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Estatísticas Conjunturais em Empresas
* Série com Ajuste Sazonal

Na série com ajuste sazonal, 7 dos 15 locais pesquisados apontaram taxas negativas, com destaque para Pará (-6,2%), Santa Catarina (-4,8%) e Espírito Santo (-3,9%), com o primeiro local eliminando parte do ganho de 15,2% acumulado nos meses de junho e julho; o segundo interrompendo quatro meses consecutivos de taxas positivas, período em que registrou expansão de 8,9% e o último acumulando perda de 12,6% em três meses seguidos.

Bahia (-2,8%), Minas Gerais (-1,9%), Paraná (-1,5%) e Ceará (-0,8%) completam o conjunto de locais com índices negativos em agosto de 2022, enquanto Pernambuco mostrou variação nula (0,0%).

As expansões mais intensas foram no Amazonas (7,0%) e Rio de Janeiro (3,3%), com o primeiro local eliminando a perda de 4,0% acumulada nos meses de junho e julho de 2022; e o segundo intensificando a expansão de 1,3% verificada no último mês.

As demais taxas positivas foram em São Paulo (2,6%), Mato Grosso (2,1%), Goiás (1,8%), Região Nordeste (1,1%) e Rio Grande do Sul (0,1%).

A média móvel trimestral foi de -0,1% no trimestre encerrado em agosto de 2022 frente ao nível do mês anterior, interrompendo a trajetória ascendente iniciada em março deste ano. Oito dos quinze locais pesquisados apontaram taxas negativas nesse mês, com destaque para os recuos mais acentuados assinalados por Espírito Santo (-4,4%), Bahia (-2,5%), Região Nordeste (-1,8%), Ceará (-1,7%) e Paraná (-1,2%).

Por outro lado, Pará (2,5%), Mato Grosso (1,1%), Amazonas (0,9%), São Paulo (0,9%) e Rio de Janeiro (0,6%) mostraram avanços em agosto de 2022.

Na comparação com agosto de 2021, o setor industrial nacional avançou 2,8% em agosto de 2022, com dez dos quinze locais pesquisados apontando taxas positivas. Nesse mês, Mato Grosso (29,9%) e Amazonas (13,4%) assinalaram as expansões de dois dígitos mais acentuadas. Rio de Janeiro (6,4%), Rio Grande do Sul (6,3%), Região Nordeste (6,0%), Pernambuco (5,0%), São Paulo (4,5%) e Goiás (4,5%) também registraram taxas positivas mais elevadas do que a média nacional (2,8%), enquanto Bahia (1,3%) e Santa Catarina (0,7%) completaram o conjunto de locais com crescimento na produção nesse mês.

Os recuos mais acentuados em agosto foram no Espírito Santo (-12,2%) e no Pará (-8,7%). Os demais resultados negativos foram no Ceará (-4,7%), Paraná (-2,2%) e Minas Gerais (-1,6%). Vale citar que agosto de 2022 (23 dias) teve um dia útil a mais do que igual mês do ano anterior (22).

No acumulado do ano, frente a igual período de 2021, a redução de -1,3% na indústria alcançou oito dos quinze locais pesquisados, com destaque para Pará (-8,1%) e Ceará (-4,6%). Espírito Santo (-3,7%), Pernambuco (-3,6%), Santa Catarina (-3,6%), Minas Gerais (-2,1%) e São Paulo (-1,7%) registraram taxas negativas mais acentuadas do que a média nacional (-1,3%), enquanto Paraná (-1,0%) completou o conjunto de locais com recuo na produção no índice acumulado no ano.

Por outro lado, Mato Grosso (24,2%) acumulou o maior avanço no ano. Bahia (6,8%), Rio de Janeiro (3,8%), Amazonas (3,6%), Goiás (1,7%), Rio Grande do Sul (1,3%) e Região Nordeste (0,6%) mostraram as demais taxas positivas no mesmo período.

O acumulado dos últimos 12 meses, ao recuar 2,7% em agosto de 2022, reduziu a intensidade de perda frente ao verificado em julho último (-3,0%) e interrompeu a trajetória descendente iniciada em agosto de 2021 (7,2%). Em termos regionais, 12 dos 15 locais pesquisados registraram taxas negativas em agosto de 2022, mas dez apontaram maior dinamismo frente aos índices do mês anterior.

Mato Grosso (de 15,9% para 18,9%), Região Nordeste (de -6,1% para -4,2%), Pernambuco (de -6,1% para -4,6%), Bahia (de -1,9% para -0,5%) Amazonas (de -2,4% para -1,2%)e Goiás (de -1,1% para -0,2%) mostraram os principais ganhos entre julho e agosto de 2022, enquanto Espírito Santo (de -1,6% para -2,9%), Paraná (de 0,0% para -0,9%) e Minas Gerais (de -0,8% para -1,6%) assinalaram as maiores perdas entre os dois períodos.

Via: IBGE

Total
0
Shares
Anterior
IPCA foi de -0,29% em setembro

IPCA foi de -0,29% em setembro

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de setembro foi de

Próximo
Projeto estabelece cobrança de imposto de importação sobre remessa do exterior decorrente de vendas pela internet

Projeto estabelece cobrança de imposto de importação sobre remessa do exterior decorrente de vendas pela internet

Vinicius Loures/Câmara dos Deputados Félix Mendonça Júnior, autor da proposta O

Veja também