Especialista da Santander Asset enxerga bom potencial de retorno de fundos multimercados em 2023

F1RST, do Santander, abre 100 vagas com salários de até R$ 25 mil / Divulgação
F1RST, do Santander, abre 100 vagas com salários de até R$ 25 mil / Divulgação

Para Renato Santaniello, gestor da Santander Asset Management, a categoria tem potencial de “repetir” performance positiva de 2022, cujo referencial avançou 13,24%

Os fundos multimercados têm potencial elevado de retorno em 2023, repetindo o desempenho deste ano. Segundo Renato Santaniello, gestor da Santander Asset Management (SAM), a projeção está baseada no fato destes fundos conseguirem ajustar rapidamente o posicionamento para capturar oportunidades de investimento, já que a projeção é de um ano desafiador, assim como foi 2022.

“Com o cenário global de inflação elevada e persistente, os gestores conseguiram antecipar o movimento que seria necessário nos juros para controlar as expectativas de inflação futura e assumiram posições relevantes para ganhar com a alta de juros. Com isso, além da boa performance comparado ao CDI, os fundos ficaram com risco mais baixo melhorando bastante a relação entre risco e retorno”, afirma Santaniello.

A principal referência de rentabilidade para estes fundos, o índice IHFA, subiu 13,24% em 2022, enquanto o CDI avançou 10,56%. Os dados são até novembro.

Os fundos da família Alocação da SAM são bons exemplos deste desempenho acima do CDI, segundo Santaniello. O fundo Alocação Multiestratégia Crescimento subiu 13,85%; o Alocação Multiestratégia Equilíbrio cresceu 15,94% e o Alocação Multiestratégia Flexível, que combina alocação em fundos Macro e Long Biased, teve alta de 15,85%.

“Os fundos Macro apresentam uma política de investimento ampla, que possibilita uma alocação de risco mais diversificada e mais eficiente. De forma geral, essa classe foi muito bem principalmente pelas apostas feitas no cenário de alta de juros norte-americanos. Os que carregaram posições mais relevantes no mercado de renda fixa global e os que alocam risco de forma mais tática conseguiram capturar bem as oportunidades ao longo dos últimos 12 meses e se destacaram na indústria”, afirma.

O que avaliar

Para quem pretende investir neste tipo de fundo, Santaniello ressalta que é importante avaliar o gestor em janelas de longo prazo para entender como o fundo se comporta em diferentes cenários. “Mais importante que o histórico de performance é conhecer um pouco sobre os profissionais que fazem a gestão e o processo de investimento. Uma alocação equilibrada, em diferentes estilos de gestão, reduz o potencial de impacto negativo no portfólio”, garante.

Para os que já aplicam em fundos multimercados, a dica do especialista é a diversificação de ativos, ou seja, apostar em diferentes subcategorias. “A combinação de gestores que assumem posições de longo prazo com gestores que são mais ativos e procuram oportunidades de curto prazo deve trazer uma relação de retorno e risco melhor para o portfólio. Dependendo dos objetivos e do perfil de risco dos investidores, a carteira pode incluir opções de maior risco, mas o importante é sempre obter equilíbrio para conseguir passar por momentos de maior volatilidade”.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prev
F1RST, do Santander, abre 100 vagas com salários de até R$ 25 mil
F1RST, do Santander, abre 100 vagas com salários de até R$ 25 mil / Divulgação

F1RST, do Santander, abre 100 vagas com salários de até R$ 25 mil

Contratação é imediata e local de trabalho fica em São Paulo

Next
Tecnologia antifraude: recurso de assinatura digital foca no mercado de PME’s
Tecnologia antifraude: recurso de assinatura digital foca no mercado de PME's / Foto: Andrea Piacquadio / Pexels

Tecnologia antifraude: recurso de assinatura digital foca no mercado de PME’s

Tecnologia de assinaturas digitais agiliza validação de cadastros e contratos

You May Also Like