IPCA foi de 0,59% em outubro

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de outubro foi de 0,59%, encerrando uma sequência de três meses em deflação: em julho, agosto e setembro, as variações haviam sido de -0,68%, -0,36% e -0,29%, respectivamente. No ano, o IPCA acumula alta de 4,70% e, nos últimos 12 meses, de 6,47%, abaixo dos 7,17% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em outubro de 2021, a taxa havia sido de 1,25%.

Período Taxa
Outubro 2022 0,59%
Setembro 2022 -0,29%
Outubro 2021 1,25%
Acumulado no ano 4,70%
Acumulado nos últimos 12 meses 6,47%

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito tiveram alta em outubro. A maior contribuição do mês, 0,16 ponto percentual (p.p.), veio de Alimentação e bebidas (0,72%), que havia recuado 0,51% em setembro. Na sequência, vieram Saúde e cuidados pessoais (1,16%) e Transportes (0,58%), com impactos de 0,15 p.p. e 0,12 p.p., respectivamente. Juntos, os três grupos responderam por cerca de 73% do IPCA de outubro. Já a maior alta do mês foi do grupo Vestuário (1,22%).

O único grupo com queda em outubro foi Comunicação (-0,48%), que contribuiu com -0,03 p.p. Os demais ficaram entre o 0,18% em Educação e o 0,57% em Despesas pessoais.

Grupo Variação (%) Impacto (p.p.)
Setembro Outubro Setembro Outubro
Índice Geral -0,29 0,59 -0,29 0,59
Alimentação e bebidas -0,51 0,72 -0,11 0,16
Habitação 0,60 0,34 0,09 0,05
Artigos de residência -0,13 0,39 -0,01 0,01
Vestuário 1,77 1,22 0,08 0,06
Transportes -1,98 0,58 -0,41 0,12
Saúde e cuidados pessoais 0,57 1,16 0,07 0,15
Despesas pessoais 0,95 0,57 0,10 0,06
Educação 0,12 0,18 0,01 0,01
Comunicação -2,08 -0,48 -0,11 -0,03

O grupo Alimentação e bebidas teve alta de 0,72%, puxado pela alimentação no domicílio (0,80%). Os destaques foram batata-inglesa (23,36%) e tomate (17,63%), que contribuíram conjuntamente com 0,07 p.p. no índice do mês. Houve aumentos, ainda, na cebola (9,31%) e nas frutas (3,56%). No lado das quedas, destacam-se o leite longa vida (-6,32%), que já havia recuado 13,71% em setembro, e o óleo de soja (-2,85%), em sua quinta queda consecutiva.

A variação da alimentação fora do domicílio (0,49%) ficou próxima à do mês anterior (0,47%). Enquanto o lanche desacelerou de 0,74% em setembro para 0,30% em outubro, a refeição seguiu caminho inverso, passando de 0,34% para 0,61%.

Em Saúde e cuidados pessoais (1,16%), as maiores contribuições vieram de higiene pessoal (2,28%) e planos de saúde (1,43%), com impactos de 0,09 p.p. e 0,05 p.p., respectivamente. Entre os itens de higiene pessoal, destacam-se perfumes (5,71%) e artigos de maquiagem (3,90%).

O resultado dos planos de saúde é consequência dos reajustes autorizados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) para os planos contratados antes da Lei nº 9.656/98 (planos antigos), com vigência retroativa a partir de julho. Em outubro, foram apropriadas as frações mensais dos planos antigos relativas aos meses de julho, agosto, setembro e outubro.

Os Transportes passaram de -1,98% em setembro para alta de 0,58% em outubro. O recuo dos combustíveis (-1,27%) foi menos intenso que no mês anterior (-8,50%). Gasolina (-1,56%), óleo diesel (-2,19%) e gás veicular (-1,21%) seguiram em queda, enquanto o etanol registrou alta de 1,34%. Além disso, houve aumento expressivo nos preços das passagens aéreas (27,38%), maior contribuição individual no IPCA de outubro (0,16 p.p.).

Já os preços dos transportes por aplicativo, que haviam subido 6,14% em setembro, caíram 3,13% em outubro. O subitem ônibus urbano (-0,23%) seguiu em queda, refletindo redução de preços das passagens aos domingos em Salvador (-2,99%), válida desde 11 de setembro.

O resultado do grupo Vestuário (1,22%) foi influenciado pelas altas nos preços das roupas masculinas (1,70%) e das roupas femininas (1,19%). Nos últimos 12 meses, a variação acumulada do grupo foi de 18,48%, a maior entre os nove grupos que compõem o IPCA.

O grupo Habitação (0,34%) desacelerou em relação a setembro (0,60%), devido à queda do gás de botijão (-0,67%), cujos preços haviam subido 0,92% no mês anterior, e à desaceleração da energia elétrica (0,30%) frente a setembro (0,78%). As variações do subitem energia elétrica ficaram entre -9,88% em Curitiba e 13,03% em São Luís. Em São Paulo (-0,17%), houve reajuste de 2,07% em uma das concessionárias, a partir de 23 de outubro e, em Goiânia (-0,72%), houve reajuste de 5,35% nas tarifas a partir de 22 de outubro. Apesar dos reajustes, o resultado de ambas as áreas ficou negativo por conta de reduções de PIS/COFINS.

Cabe esclarecer que, após a sanção da Lei Complementar 194/22 no final de junho, os serviços de transmissão e distribuição foram retirados da base de cálculo do ICMS na conta padrão dos estados em que houve decreto ou norma prevendo tal exclusão. No entanto, posteriormente, foram identificados casos em que a cobrança continuou sendo realizada. Nesse sentido, foram feitos ajustes no IPCA-15 e no IPCA de outubro de forma a compensar a retirada do ICMS, com o objetivo de contabilizar o que efetivamente foi cobrado dos consumidores.

Adicionalmente, algumas concessionárias de energia têm decidido, de forma voluntária, retirar os serviços de transmissão e distribuição da base de cálculo do ICMS, mesmo sem decreto ou norma estadual prevendo tal retirada. A conta padrão de energia elétrica também tem levado em consideração esse cenário, retirando tais serviços da base de cálculo do ICMS nesses casos.

Ainda em Habitação, a alta na taxa de água e esgoto (0,74%) decorre do reajuste médio de 13,22% nas tarifas de uma das concessionárias de Porto Alegre (6,40%), desde 29 de setembro.

O resultado de Comunicação (-0,48%) foi puxado para baixo pelo subitem plano de telefonia móvel (-2,05%), que contribuiu individualmente com -0,03 p.p. no índice do mês. A queda do grupo, no entanto, foi menos intensa que a observada em setembro (-2,08%).

Quanto aos índices regionais, todas as áreas tiveram variação positiva em outubro. A maior variação ocorreu em Recife (0,95%), por conta das altas da energia elétrica (9,66%) e das passagens aéreas (47,37%). Já o menor índice foi registrado em Curitiba (0,20%), por conta dos recuos nos preços da energia elétrica (-9,88%) e da gasolina (-2,40%).

Região Peso Regional (%) Variação (%) Variação Acumulada (%)
Setembro Outubro Ano 12 meses
Recife 3,92 -0,43 0,95 4,47 6,64
Brasília 4,06 -0,26 0,87 4,65 6,23
Porto Alegre 8,61 -0,46 0,76 2,61 4,46
São Luís 1,62 -0,15 0,71 4,68 6,42
São Paulo 32,28 -0,32 0,66 5,53 7,18
Fortaleza 3,23 -0,65 0,61 4,82 6,52
Salvador 5,99 -0,32 0,61 5,61 8,21
Vitória 1,86 0,17 0,60 4,26 6,09
Aracaju 1,03 -0,12 0,58 5,21 7,15
Belo Horizonte 9,69 -0,35 0,54 3,34 5,07
Goiânia 4,17 -0,31 0,53 3,22 5,26
Belém 3,94 -0,01 0,51 4,36 5,31
Campo Grande 1,57 -0,22 0,47 4,49 6,52
Rio Branco 0,51 -0,09 0,44 4,20 6,30
Rio de Janeiro 9,43 -0,11 0,41 5,93 7,62
Curitiba 8,09 -0,16 0,20 4,23 5,88
Brasil 100,00 -0,29 0,59 4,70 6,47

Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados no período de 29 de setembro a 27 de outubro de 2022 (referência) com os preços vigentes no período de 30 de agosto a 28 de setembro de 2022 (base). O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília.

INPC tem alta de 0,47% em outubro

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) teve alta de 0,47% em outubro. No ano, o indicador acumula alta de 4,81% e, nos últimos 12 meses, de 6,46%, abaixo dos 7,19% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em outubro de 2021, a taxa foi de 1,16%.

Os produtos alimentícios passaram de queda de 0,51% em setembro para alta de 0,60% em outubro. Os preços dos não alimentícios seguiram o mesmo movimento, e a variação passou de -0,26% em setembro para 0,43% em outubro.

Quanto aos índices regionais, todas as áreas tiveram alta em outubro. A menor variação foi observada em Curitiba (0,07%), influenciada pelas quedas na energia elétrica (-9,80%) e na gasolina (-2,40%). Já o maior resultado foi registrado em Recife (0,88%), puxado pela energia elétrica (9,78%) e pelos itens de higiene pessoal (3,12%).

Região Peso Regional (%) Variação (%) Variação Acumulada (%)
Setembro Outubro Ano 12 meses
Recife 5,60 -0,30 0,88 5,13 7,11
São Luís 3,47 -0,06 0,71 5,32 6,92
Brasília 1,97 -0,34 0,66 3,82 5,39
Fortaleza 5,16 -0,59 0,60 4,98 6,64
Aracaju 1,29 -0,10 0,58 5,87 7,75
Porto Alegre 7,15 -0,66 0,57 1,95 3,82
Salvador 7,92 -0,33 0,48 6,18 8,85
São Paulo 24,60 -0,39 0,48 6,09 7,56
Campo Grande 1,73 -0,38 0,45 4,58 6,41
Vitória 1,91 0,21 0,45 3,70 5,12
Belo Horizonte 10,35 -0,44 0,45 3,21 4,85
Goiânia 4,43 -0,27 0,42 3,84 5,79
Rio de Janeiro 9,38 -0,26 0,42 5,86 7,31
Rio Branco 0,72 -0,06 0,25 3,65 5,56
Belém 6,95 0,11 0,25 4,39 5,42
Curitiba 7,37 -0,25 0,07 3,49 4,88
Brasil 100,00 -0,32 0,47 4,81 6,46

Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados no período de 29 de setembro a 27 de outubro de 2022 (referência) com os preços vigentes no período de 30 de agosto a 28 de setembro de 2022 (base). O INPC é calculado pelo IBGE desde 1979, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 05 salários mínimos, sendo o chefe assalariado, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília.

Via: IBGE

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior
CCJ aprova projeto que atualiza lei para mudança de sobrenome após casamento

CCJ aprova projeto que atualiza lei para mudança de sobrenome após casamento

Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados Tabata Amaral: "Constituição prevê

Próximo
Cadastro obrigatório para minério de garimpo

Cadastro obrigatório para minério de garimpo

O primeiro adquirente de bem mineral proveniente de área garimpeira precisa

Veja também