MONKEYPOX: Ministério da Saúde lança Plano de Contingência Nacional para a varíola dos macacos

O Ministério da Saúde lançou o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox, a varíola dos macacos. O documento reúne informações estratégicas para contenção e controle da doença, que já infectou 2.293 pessoas no Brasil até esta quarta-feira (10), segundo a pasta. O material contém orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de monkeypox, além de orientar as ações a serem definidas pelos estados e municípios brasileiros.

O infectologista Julival Ribeiro, membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), avalia que é fundamental que o governo direcione todas as ações para o controle da varíola símia.

“Esse plano é muito importante, porque estabelece uma cadeia de comando de todas as ações pelo governo federal, estadual, distrital e municipal, visando ter ações coordenadas no diagnóstico clínico laboratorial, na prevenção e, sobretudo, no controle da doença monkeypox.”

O documento também apresenta as definições de caso suspeito, provável, confirmado e descartado da varíola dos macacos, além do modo de transmissão e os grupos vulneráveis. A doutora Natalia Pasternak, bióloga e pesquisadora da Universidade de Columbia, destaca a importância do compartilhamento dessas informações.

“O mais importante para a varíola símia é que as pessoas estejam informadas de como se dá o contato, como é a maior probabilidade de contágio, o que fazer se eu estou infectado. Tudo isso tem que ficar muito claro. Lembrando que qualquer um pode pegar essa doença.”

Nível de Emergência

Conforme classificação utilizada internacionalmente, o plano apresenta três níveis de emergência baseados na avaliação do risco da doença, na situação epidemiológica e no impacto para a saúde pública e os serviços do Sistema Único de Saúde (SUS).

Atualmente, o Brasil encontra-se no nível III, que é estabelecido quando há transmissão comunitária de casos, os insumos para tratamento e prevenção não estão disponíveis e o impacto sobre o SUS exige ampla resposta governamental.

“É muito importante este nível três, que eleva o nível de emergência para a doença monkeypox, para se buscar mais recursos e distribuição de mais kits para o diagnóstico da doença feito por laboratórios públicos ou privados. Além de aplicar as medidas preventivas para controlar a doença”, ressalta o infectologista Julival Ribeiro.

O nível I é usado para classificar locais que não possuem todos os recursos necessários, requerem orientação técnica e mobilização de recursos, com possibilidade de envio de equipe. Já o nível II é para localidades com risco significativo, superando a capacidade de resposta local, necessitando de recursos adicionais e apoio complementar da esfera federal, com envio de equipe de resposta à Emergência em Saúde Pública.

Vacinas contra a varíola símia

Em nota, o Ministério da Saúde informa que “o controle da varíola dos macacos é prioridade para a pasta, que está em constante monitoramento da situação epidemiológica para orientar ações de vigilância e resposta à doença no Brasil. A pasta aguarda tratativas da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS/OMS) junto ao fabricante para aquisição de medicamento e também da vacina contra a varíola dos macacos”.

Segundo a doutora Natalia Pasternak, a vacina contra a varíola humana deve proteger contra a símia, mas a comunidade científica ainda tem poucos dados sobre a dimensão dessa proteção.

“A vacina para varíola humana oferece o que chamamos de proteção cruzada. Como são vírus parecidos, ela deve proteger contra a varíola símia. Mas não sabemos dizer exatamente o quanto ela protege, porque isso nunca foi efetivamente testado em um grande número de pessoas. Mas acreditamos, por alguns experimentos menores que foram feitos no passado com profissionais de saúde e por causa dos anticorpos produzidos com a vacina de varíola humana, que ela oferece uma proteção cruzada.”

Brasil negocia compra de vacinas contra a varíola dos macacos

Varíola dos macacos: temos vacina? Infectologista explica

VARÍOLA DOS MACACOS: Drª Natalia Pasternak esclarece dúvidas sobre a doença

Sintomas, contágio e prevenção

A varíola dos macacos, ou monkeypox, é uma doença viral, causada por um vírus semelhante ao da varíola humana. O sintoma mais conhecido é o surgimento de pústulas ou lesões pelo corpo, mas o paciente também pode sentir febre alta, dor no corpo e de cabeça, náusea, cansaço e o aparecimento de gânglios, ou ínguas, que podem acometer a região do pescoço, axila e perigenital.

O contágio ocorre pelo contato, seja por pele, secreções ou objetos pessoais do paciente infectado.

“Ela é uma doença contagiosa que passa de pessoa para pessoa, por contato íntimo prolongado. Então, contato de pele: se você abraça, beija, tem contato sexual, qualquer tipo de contato íntimo e prolongado, demorado – não é uma coisa rapidinha -, você pode pegar a varíola símia”, explica a doutora Pasternak.

A principal forma de prevenção é evitar contato direto com pessoas contaminadas ou com objetos pessoais desses pacientes.

O Ministério da Saúde orienta procurar uma unidade de saúde em caso de sintomas da doença.

]]>Via: Brasil61

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prev
Por que eu preciso de uma corretora de planos de saúde?

Por que eu preciso de uma corretora de planos de saúde?

Contar com uma corretora de planos de saúde é a melhor forma de garantir uma

Next
Maiores mineradoras investem em aumento de capacidade e melhoria da produtividade

Maiores mineradoras investem em aumento de capacidade e melhoria da produtividade

As 200 Maiores Empresas de Mineração responderam por quase 92% do valor total da

You May Also Like