MUB3 abre exposição sobre Eufrásia Teixeira Leite, primeira mulher a investir na bolsa do Brasil

Sede da Bolsa de Valores em São Paulo

A mostra, gratuita, fica em cartaz de 15 de abril a 15 de junho no prédio das Moedas, localizado no Centro Histórico de São Paulo

Entra em cartaz na próxima segunda-feira (15), no MUB3 – Museu da bolsa do Brasil, a exposição temporária “Muitas Eufrásias: a presença das mulheres na Bolsa”, que conta a história de Eufrásia Teixeira Leite, a primeira mulher a investir na bolsa brasileira. A mostra ficará em cartaz até o dia 15 de junho em um dos prédios da B3, o Edifício JB, conhecido como Prédio das Moedas, localizado no centro histórico de São Paulo. A entrada é gratuita em todos os dias de funcionamento.

Conheça Eufrásia Teixeira Leite

Nascida em 1850, em Vassouras, Rio de Janeiro, Eufrásia é reconhecida como a primeira mulher a investir na bolsa de valores de forma independente. Na exposição, os visitantes terão uma visão detalhada de sua jornada, desde a educação tradicional até a ascensão como uma das investidoras mais respeitadas da época.

Mulheres na bolsa

Percussora, Eufrásia abriu as portas para que muitas mulheres atingissem sua independência financeira. De acordo com um estudo realizado pela B3, mais de 1 milhão de mulheres começaram a investir na bolsa nos últimos 5 anos. Os dados apontam que elas começam a investir com mais dinheiro do que os homens. Em 2023, a mediana do primeiro investimento das mulheres foi de R$ 167 enquanto o dos homens foi de R$ 62. Nos últimos 5 anos, a faixa etária que mais cresceu percentualmente foi a de 18 a 24 anos e, atualmente, a maior parte das mulheres que investem em renda variável têm entre 25 e 39 anos (46%), seguida pela faixa dos 40 a 59 anos (34%).

Segundo a superintendente de Educação da B3, Christianne Bariquelli, as mulheres se preparam mais antes de investir, são mais cautelosas e por isso entram com mais dinheiro. “O legado deixado por Eufrásia está presente em cada uma das investidoras que estão hoje na B3 e que, de alguma forma, entenderam a importância do acesso à informação para atingir a independência financeira”, destaca.

A mostra, além de falar da vida de Eufrásia, contemplará outras mulheres pioneiras que se tornaram investidoras naquela época, como as irmãs Brontë, Victoria Woodhull, Tennessee Clafin, Hetty Green e Madame C. J. Walker. A exposição apresentará também uma linha do tempo com importantes marcos relacionados as mulheres.

O público também poderá ver de perto o Ticker, aparelho desenvolvido por Thomas Edison para a Bolsa de Nova Iorque, que, em meados do século XIX, era usado por bancos, escritórios de corretores, investidores e jornais para transmitir as cotações em tempo real. A peça imprimia em uma fita de papel, a ticker tape, o código do ativo, a variação de preço e o horário de negociação, dados importantes para a tomada de decisão dos investimentos.

Exposição “Muitas Eufrásias: a presença das mulheres na Bolsa”

Visitação: 15 de abril a 15 de junho de 2024

Horário: de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h, e aos sábados, das 10h às 16h

Local: Edifício JB – Prédio das Moedas

Rua João Brícola, 59 – Centro Histórico de São Paulo

Próximo à estação São Bento do metrô

Entrada gratuita

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prev
Seguradora digital Darwin Seguros abre mais de 20 oportunidades de emprego
Da cobrança à análise de crédito: quando sei que preciso de um correspondente bancário? / Foto: Drazen Zigic / Freepik

Seguradora digital Darwin Seguros abre mais de 20 oportunidades de emprego

Companhia fechou seu primeiro ano de operação (2023) com mais de 20

Next
HDI Global visa o segmento de médio porte com serviços e estratégia dedicados
Dr. Mukadder Erdönmez, Membro do Conselho Executivo da HDI Global SE, responsável pelas áreas de Responsabilidade Civil, Seguros Cibernéticos e Automóveis; e David Hullin, Membro do Conselho Executivo da HDI Global, responsável pela região Europa (sem Alemanha), Américas, Asean, África do Sul e Médio Oriente / Foto: Divulgação

HDI Global visa o segmento de médio porte com serviços e estratégia dedicados

You May Also Like