Não seja surpreendido: 5 cuidados para proteger dados e arquivos no celular

Tatiany Martins, Diretora Comercial da Pitzi / Divulgação
Tatiany Martins, Diretora Comercial da Pitzi / Divulgação

Confira artigo de Tatiany Martins, diretora comercial da Pitzi

Já não dá para imaginar a vida sem a praticidade dos smartphones. Os aparelhos se consolidam os melhores aliados para a realização das mais variadas tarefas no dia a dia, do bom dia para a mãe à reunião de trabalho, e ainda concentram cada vez mais informações confidenciais de qualquer usuário, como documentos pessoais e contas bancárias.

Por essas e outras, só de imaginar que repentinamente tudo pode desaparecer, uma certa angústia se instala no ar. Seja por pane no sistema operacional do smartphone, seja por quebra, perda, roubo ou furto, é importante aprender a proteger todo o conteúdo que integra o “coração” do celular (e da sua vida, praticamente) para evitar “dor de cabeça” e até mesmo prejuízo financeiro.

Então, confira cinco cuidados para manter o acesso aos seus dados seguro.

Arquive documentos na nuvem

Esses sistemas de armazenamento e sincronização de arquivos, além de oferecer mais segurança, contam com acesso criptografado para dificultar a invasão por terceiros e ainda permitem o acesso remoto. Assim, caso seja necessária, a recuperação dos documentos fica mais fácil. Isso porque é possível baixar arquivos como fotos, vídeos e documentos em um novo aparelho com facilidade.

Mantenha o backup ativo no WhatsApp

Tão importante quanto o armazenamento em nuvem é manter o backup ativo do WhatsApp, um dos aplicativos para troca de mensagens mais populares do mundo (estima-se mais de 2 bilhões de usuários em 180 países). O app é usado até mesmo como ferramenta de trabalho e se consagra peça fundamental em muitos negócios. Para criar um backup das conversas, é preciso ter conexão à internet e espaço na memória. Os aparelhos com Android precisam ter uma conta do Google ativa. No iPhone, é preciso ter uma conta do iCloud.

Evite instalar apps de fontes desconhecidas

Com regras de segurança rígidas, as lojas oficiais do Android e iOS tendem a ser um lugar seguro para o download de aplicativos. No entanto, também é possível instalar apps de fontes de terceiros. Só que essa “liberdade” vem com um risco: fora das lojas oficiais as plataformas perdem a supervisão de qualidade e segurança do Google ou da Apple e, assim, criminosos podem ter acesso aos dispositivos para roubar dados pessoais, dinheiro ou ambos.

Use métodos seguros para recuperar senhas

Com um e-mail, por exemplo, é possível recuperar senhas de aplicativos, logins de sites e redes sociais. A dica é usar uma conta de recuperação segura e que não esteja logada no smartphone. Assim, em caso de perda ou roubo, há limitação no acesso dessas informações. Vale ainda lembrar para nunca anotar as senhas em blocos de notas, mensagens de WhatsApp ou outros locais do celular. Para isso, os gerenciadores de senhas são a maneira mais segura; funcionam como uma espécie de cofre criptografado para armazenar os códigos.

Mantenha o aparelho sempre atualizado

Manter o dispositivo atualizado ajuda a evitar problemas como perdas de arquivos, baixo desempenho e invasões de hackers. Isso porque as fabricantes disponibilizam upgrades que deixam os aparelhos mais seguros.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior
Procuradora Marina Brito Battilani assume a presidência do Conselho Deliberativo da Prevcom
Marina Brito Battilani, procuradora federal da Advocacia Geral da União (AGU) / Foto: Ministério do Trabalho e Previdência / Divulgação / Arquivo

Procuradora Marina Brito Battilani assume a presidência do Conselho Deliberativo da Prevcom

Nova titular comandará o órgão deliberativo pelo período de 3 anos

Próximo
Juros altos e crise levam à disparada dos pedidos de recuperação judicial no 1º semestre
Filipe Denki, advogado especializado em Direito Empresarial e Recuperação Judicial / Foto: Divulgação

Juros altos e crise levam à disparada dos pedidos de recuperação judicial no 1º semestre

Requerimentos apresentados à Justiça subiram 52% na primeira metade deste ano,

Veja também