Quinzena do Seguro

Notícias de incêndios estruturais aumentam 12,7% em janeiro

Notícias de incêndios estruturais aumentam 12,7% em janeiro / Foto: Pixabay
Notícias de incêndios estruturais aumentam 12,7% em janeiro / Foto: Pixabay

Monitoramento diário de ocorrências de incêndios no País, realizado pelo Instituto Sprinkler Brasil, contabiliza 214 reportagens

As notícias de incêndios estruturais começaram o ano em alta. É o que revela levantamento do Instituto Sprinkler Brasil (ISB), organização sem fins lucrativos que tem como missão difundir o uso de sprinklers nos sistemas de prevenção e combate a incêndios em instalações industriais e comerciais no País. Por meio do monitoramento diário de notícias de incêndios no Brasil, o Instituto conseguiu capturar 214 ocorrências de incêndios estruturais no primeiro mês deste ano, representando alta de 12,7% ante o mesmo mês do ano anterior, quando foram registradas 190 notícias.

Os números representam uma alta progressiva em comparação com janeiro de 2021 e 2020, quando foram capturadas 157 e 92 reportagens, respectivamente. “O ano já começa com elevada quantidade de ocorrências de incêndio pelo País. Temos acompanhado casos em shoppings, indústrias, teatros, hospitais e outras edificações. Sabemos que esses incêndios tradicionalmente acontecem por problemas de qualidade de equipamento, falta de manutenção, erros de projetos e de instalação, problemas de treinamento da mão de obra e falta de interesse, de modo geral, dos proprietários na proteção contra incêndio, que fazem somente o mínimo necessário para ser aprovado pelos bombeiros”, diz Marcelo Lima, consultor do ISB.

Os sinistros contabilizados são os chamados “incêndios estruturais”, ou seja, aqueles que poderiam ter sido contornados com a instalação de sprinklers e ocorreram em depósitos, hospitais, hotéis, escolas, prédios públicos, museus, entre outros. O ISB não inclui nas estatísticas os incêndios residenciais, que apesar de também serem incêndios estruturais, não são objeto de acompanhamento porque a legislação de segurança contra incêndio não se aplica a residências unifamiliares, onde acontece o maior número de ocorrências.

A legislação de prevenção e combate a incêndios é estadual e está atualizada. A de São Paulo é uma das mais avançadas do País e serve de modelo para grande parte do Brasil. “A questão está em aplicá-la corretamente”, explica Marcelo Lima.

“O estado exige a instalação de sistemas de incêndio, mas não faz qualquer exigência quanto ao nível de qualidade dos equipamentos. Não há certificação, exceto para extintores. Com isso, temos sistemas instalados por todo o Brasil que atendem plenamente à legislação, mas que provavelmente não funcionarão e isso só será descoberto no pior momento, durante uma ocorrência de incêndio”, conclui Lima.

Uso de sprinklers ainda é tímido

Em pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos junto a empresas multinacionais e de capital nacional com mais de 250 funcionários a pedido do ISB, revelou que o grau de adoção de sprinklers nas empresas é baixo. Apenas 36% das 300 companhias entrevistadas pelo Ipsos disseram contar com sistemas deste tipo em suas instalações.

O levantamento mostrou ainda que apenas 14% das entrevistadas disseram contar com sistema deste tipo em todas as suas unidades e 22% declararam contar com o sistema em apenas algumas unidades operacionais.

O estudo detectou que o uso de sprinklers é maior entre as multinacionais. 48% das empresas estrangeiras, com operações no país, ouvidas pelo levantamento, disseram ter sprinklers em suas operações. Entre as empresas nacionais, o índice é de 34%.

O porte também influi na aderência a este tipo de tecnologia. O índice de uso sprinklers em empresas com mais de 500 funcionários é de 45%. Entre empresas menores, com 250 a 499 funcionários, o percentual é de 28%.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prev
Portabilidade de carências: mais de 300 mil consultas foram feitas em 2022
Portabilidade de carências: mais de 300 mil consultas foram feitas em 2022 / Foto: Karolina Grabowska / Pexels

Portabilidade de carências: mais de 300 mil consultas foram feitas em 2022

Interesse em plano de saúde mais barato foi o principal objetivo dos

Next
Como a falta de maturidade na gestão de riscos pode afetar as empresas
Enzo Ferracini, Vice-Presidente Specialty da THB Brasil / Foto: Divulgação

Como a falta de maturidade na gestão de riscos pode afetar as empresas

Confira artigo de Enzo Ferracini, Vice-Presidente Specialty da THB Brasil

You May Also Like