O impacto do investimento estratégico no Sul do país

O impacto do investimento estratégico no Sul do país/ Foto: Divulgação/TKE Logística
Foto: Divulgação/TKE Logística

Executivo descreve a necessidade do apoio governamental para o desenvolvimento no transporte rodoviário de cargas

Segundo um levantamento realizado pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) para alavancar a condições das rodovias, a infraestrutura de transporte no estado requer investimentos de R$ 20,3 bilhões entre 2024 e 2027. Como consequência da situação precária, o estado do Sul do Brasil foi o segundo com o maior número de acidentes rodoviários em 2022.

Por outro lado, outro estudo da FIESC mostra que pouco mais da metade dos recursos necessários está garantida por meio de investimentos privados. A responsabilidade pelo restante está dividida entre o governo federal, governadores estaduais e governos municipais. O principal deles é demandado pelo modal rodoviário, representando R$ 10,3 bilhões.

Franco Gonçalves, gerente administrativo da TKE Logística – empresa localizada no sul de Santa Catarina, em Araranguá – comenta sobre a situação da infraestrutura das estradas da região: “Durante os últimos anos sofremos com grandes impactos climáticos que causaram uma queda na qualidade das rodovias. Mas isso não se encontra somente por aqui; o Brasil como um todo tem enfrentado dificuldades para proporcionar aos usuários segurança e confiança em trafegar”, comenta o executivo.

A agenda de infraestrutura defende a importância de um planejamento integrado e sistemático abarcando os curtos, médios e longos prazos, mencionando as rotas estratégicas que devem ser priorizadas, expondo a necessidade de investimentos em diferentes meios de transporte e abordando as questões de política e administração.

“Sem dúvidas, as lideranças do setor, juntamente com as governamentais, precisam estar alinhadas nesse contexto para nos ajudar a continuar contribuindo com a evolução do transporte rodoviário de cargas”, relata Franco sobre a participação maior dos responsáveis pela melhoria.

Em contraponto, as empresas de transporte, especialmente as rodoviárias, apresentam para 2024 novas estratégias e planejamentos mais assertivos para não haver tanto impacto em suas operações.

“Sempre estamos avaliando como podemos melhorar como empresa, no desenvolvimento dos nossos processos, pessoas e tecnologias, e temos definidos alguns objetivos para ter essa evolução. Temos discussões diárias para encontrar um denominador comum para alcançar estes objetivos de maneira assertiva e respeitando nossas políticas de governança, sustentabilidade e social”, descreve o executivo.

É claro o entendimento de que são necessários um olhar mais clínico e investimentos nas manufaturas pelas rodovias sulistas, visto que a temporada passada foi um grande marco registrado pelos fenômenos climáticos, dentre eles as fortes chuvas.

Assim, o que as organizações podem controlar no momento são os seus próximos passos: “Ainda é muito cedo para traçarmos um horizonte de como será este ano, visto que todos os dias acontecem coisas novas. Mas internamente a TKE continuará entregando os melhores resultados aos seus parceiros comerciais e, claro, continuará mapeando as tendências de mercado para implementarmos”, finaliza o empresário.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior
Azos lança campanha Passaporte Azos 2024
Azos lança campanha Passaporte Azos 2024/ Foto: Unsplash

Azos lança campanha Passaporte Azos 2024

Com vagas ilimitadas, os corretores que atingirem as metas em 2024 viajarão com

Próximo
Banco Central determina ações de educação financeiras aos clientes
Banco Central determina ações de educação financeiras aos clientes/ Foto: Unsplash

Banco Central determina ações de educação financeiras aos clientes

Para especialista, o objetivo da iniciativa é promover conhecimento sobre

Veja também