Grupo Bradesco Seguros

PNAD Contínua: taxa de desocupação é de 8,7% e taxa de subutilização é de 20,1% no trimestre encerrado em setembro

A taxa de desocupação (8,7%) do trimestre móvel de julho a setembro de 2022 recuou 0,6 ponto percentual (p.p.) ante o trimestre de abril a junho de 2022 (9,3%) e 3,9 p.p. frente ao mesmo período de 2021 (12,6%). A população desocupada (9,5 milhões de pessoas) caiu ao menor nível desde o trimestre terminado em dezembro de 2015, recuando 6,2% (menos 621 mil pessoas) no trimestre e 29,7% (menos 4,0 milhões) no ano.

Indicador/Período Jul-Ago-Set 2022 Abr-Mai-Jun 2022 Jul-Ago-Set 2021
Taxa de desocupação 8,7% 9,3% 12,6%
Taxa de subutilização 20,1% 21,2% 26,5%
Rendimento real habitual R$$ 2.737 R$ 2.640 R$ 2.670
Variação do rendimento habitual em relação a: 3,7% 2,5%

A população ocupada (99,3 milhões) foi recorde da série iniciada em 2012, com alta de 1,0% (mais 1,0 milhão) ante o trimestre anterior e de 6,8% (mais 6,3 milhões) no ano.

O nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar) foi de 57,2%, subindo 0,4 p.p. no trimestre e 3,1 p.p. no ano. Foi o nível mais alto desde o trimestre terminado em outubro de 2015.

A taxa composta de subutilização (20,1%) foi a menor desde o trimestre terminado em março de 2016, caindo 1,1 p.p. no trimestre e 6,4 p.p. no ano. A população subutilizada (23,4 milhões de pessoas) caiu 5,3% (menos 1,3 milhão) no trimestre e 23,8% (menos 7,3 milhões) no ano.

A população subocupada por insuficiência de horas trabalhadas (6,2 milhões) caiu 5,7% (menos 375 mil pessoas) no trimestre e 20,3% (menos 1,6 milhão de pessoas) no ano. Foi o menor contingente desde o trimestre terminado em junho de 2017.

A população fora da força de trabalho (64,7 milhões de pessoas) permaneceu estável ante o trimestre anterior e recuou 1,1% (menos 727 mil pessoas) no ano.

A população desalentada (4,3 milhões de pessoas) manteve estabilidade ante o trimestre anterior e caiu 17,2% (menos 887 mil de pessoas) na comparação anual.

O percentual de desalentados na força de trabalho ou desalentada (3,8%) ficou estável frente ao trimestre anterior e caiu 0,8 p.p. frente ao mesmo trimestre do ano anterior.

O número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado (exclusive trabalhadores domésticos) foi de 36,3 milhões, subindo 1,3% (482 mil pessoas) frente ao trimestre anterior e 8,2% (mais 2,8 milhões de pessoas) na comparação anual.

O número de empregados sem carteira assinada no setor privado (13,2 milhões de pessoas) foi o maior da série histórica, iniciada em 2012, apresentando estabilidade no trimestre e elevação de 13,0% (1,5 milhão de pessoas) no ano.

O número de trabalhadores por conta própria foi de 25,7 milhões de pessoas. Tanto na comparação com trimestre anterior quanto na comparação anual houve estabilidade.

O número de trabalhadores domésticos (5,9 milhões) permaneceu estável ante o trimestre anterior e subiu 9,9% (mais 532 mil pessoas) no ano. O número de empregadores (4,4 milhões) ficou estável no trimestre e subiu 14,5% (550 mil pessoas) no ano.

O número de empregados no setor público foi recorde da série histórica (12,2 milhões) crescendo 2,5% (291 mil pessoas) no trimestre e 8,9% (989 mil pessoas) no ano. Outro recorde foi o número de empregados no setor público sem carteira assinada (3,1 milhões) que cresceu 11,6% (317 mil pessoas) no trimestre e 35,4% (799 mil pessoas) no ano.

A taxa de informalidade foi 39,4% da população ocupada, contra 40,0% no trimestre anterior e 40,6% no mesmo trimestre de 2021. O número de trabalhadores informais chegou a 39,1 milhões.

O rendimento real habitual (R$ 2.737) cresceu 3,7% em relação ao trimestre anterior e 2,5% na comparação anual. A massa de rendimento real habitual (R$ 266,7 bilhões) cresceu 4,8% frente ao trimestre anterior e 9,9% na comparação anual.

Taxa de desocupação – Brasil – 2012/2022

No trimestre móvel de julho a setembro de 2022, a força de trabalho (pessoas ocupadas e desocupadas), foi estimada em 108,7 milhões de pessoas, com alta de 0,4% (380 mil pessoas) frente ao trimestre de abril a junho de 2022 e de 2,2% (2,3 milhões de pessoas) ante o mesmo trimestre de 2021. Foi o maior contingente na força de trabalho da série histórica da pesquisa, iniciada em 2012.

Frente ao trimestre móvel anterior, houve aumento nos seguintes grupamentos de atividades: Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (1,8%, ou mais 315 mil pessoas) e Outros serviços (6,8%, ou mais 348 mil pessoas). Os demais grupamentos não apresentaram variação significativa.

Ante o trimestre encerrado em setembro de 2021, houve alta em: Indústria Geral (4,0%, ou mais 488 mil pessoas), Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (7,8%, ou mais 1,4 milhão de pessoas), Transporte, armazenagem e correio (9,2%, ou mais 439 mil pessoas), Alojamento e alimentação (8,5%, ou mais 418 mil pessoas), Informação, Comunicação e Atividades Financeiras, Imobiliárias, Profissionais e Administrativas (6,8%, ou mais 756 mil pessoas), Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (8,6%, ou mais 1,4 milhão de pessoas), Outros serviços (24,3%, ou mais 1,1 milhão de pessoas) e Serviços domésticos (9,6%, ou mais 520 mil pessoas). Houve redução no grupamento de Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (3,6%, ou menos 325 mil pessoas).

Taxa composta de subutilização – Trimestres de junho a agosto– Brasil – 2012 a 2022 (%)

Quanto ao rendimento médio real habitual (R$ 2.737), frente ao trimestre móvel anterior, houve aumento em Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (10,7%, ou mais R$ 179), Indústria (3,4%, ou mais R$ 87), Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (4,4%, ou mais R$ 96), Informação, Comunicação e Atividades Financeiras, Imobiliárias, Profissionais e Administrativas (3,8%, ou mais R$ 144) e Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (2,5%, ou mais R$ 91). Os demais grupamentos não apresentaram variação significativa.

Já frente ao mesmo tri de 2021, houve crescimento em Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (13,2%, ou mais R$ 216), Construção (5,7%, ou mais R$ 114), Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (8,3%, ou mais R$ 174), Outros serviços (8,9%, ou mais R$ 175) e Serviços domésticos (4,6%, ou mais R$ 46). Houve redução no grupamento de Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (3,4%, ou menos R$ 134).

As posições na ocupação que tiveram alta no rendimento, no trimestre, foram: Empregado com carteira de trabalho assinada (2,8%, ou mais R$ 71), Empregado no setor público (inclusive servidor estatutário e militar) (2,3%, ou mais R$ 92) e Empregador (10,0%, ou mais R$ 613). As demais categorias não apresentaram variação significativa.

A comparação com o trimestre de julho a setembro de 2021 indicou aumento nas categorias: Trabalhador doméstico (4,6%, ou mais R$ 46) e Conta própria (5,0%, ou mais R$ 103).

Via: IBGE

Total
0
Shares
Anterior
Outubro Rosa: Sincor-SP promove live com médicos especialistas em saúde da mulher
Tudo sobre serviços financeiros, seguros e muito mais - Universo do Seguro

Outubro Rosa: Sincor-SP promove live com médicos especialistas em saúde da mulher

Nesta quinta-feira (27/10), às 10h, o Sincor-SP promove a live “Saúde da Mulher

Próximo
Ministério da Saúde amplia testagem contra varíola dos macacos

Ministério da Saúde amplia testagem contra varíola dos macacos

Laboratórios Centrais de Saúde Pública (Lacens) de todo o país vão a fazer a

Veja também