Grupo Bradesco Seguros

Projeto cria política nacional para desenvolver bioeconomia no Brasil

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Tecnologias na Educação e Modelo de Atenção Primária à Saúde. Dep. Da Vitoria (PP - ES)
Da Vitoria afirma que o Brasil tem vocação para desenvolver este ramo da economia

O Projeto de Lei Complementar (PLP) 150/22 institui uma política nacional para desenvolver a bioeconomia no Brasil. A proposta prevê os princípios, diretrizes e instrumentos da nova política. O texto tramita na Câmara dos Deputados.

A proposta é do deputado Da Vitoria (PP-ES) e outros três parlamentares que integram o Centro de Estudos e Debates Estratégicos (Cedes). Da Vitória presidiu o colegiado no biênio 2021/2022.

Bioeconomia é o ramo da economia que usa recursos de base biológica para desenvolver produtos, processos e serviços mais sustentáveis. Exemplos de produtos desse ramo são o biodiesel, os biofármacos e os biofertilizantes.

Da Vitória afirma que o Brasil tem vocação para desenvolver este ramo da economia, que ganhou notoriedade nos últimos anos, principalmente nos países desenvolvidos.

“Os diversos planos de retomada [econômica] pós-pandemia entre os principais países na economia mundial apresentam medidas para uma recuperação econômica e social sob novas bases econômicas para aproveitar as transformações tecnológicas atuais e a transição energética e para uma economia de baixo carbono”, disse o deputado.

Princípios
Pelo projeto, a Política Nacional da Bioeconomia observará os princípios do desenvolvimento sustentável, da ecoeficiência, da prevenção, da participação cidadã e do controle social.

Entre as diretrizes da nova política, a proposta elenca o desenvolvimento de condições favoráveis à criação de produtos e serviços relacionados à sociobiodiversidade brasileira, e o aumento da demanda por produtos e serviços da bioeconomia nacional.

Um dos aspectos centrais do projeto é a previsão das fontes de financiamento da Política Nacional da Bioeconomia. Entre elas, 30% dos fundos constitucionais de financiamento (FNE, FNO e FCO), com encargos financeiros reduzidos; e o Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FNMC).

O texto prevê ainda incentivos fiscais e tributários, creditícios, preferência em compras públicas e simplificação de regras burocráticas para os produtos e serviços da bioeconomia.

Governança
O projeto também prevê a governança da Política Nacional da Bioeconomia, que caberá ao Conselho Setorial da Bioeconomia (CNBio), órgão colegiado com participação da sociedade e do poder público que vai coordenar os principais aspectos da política.

Há ainda a Estratégia Nacional da Bioeconomia (Enbio), que vai indicar as propostas de objetivos, metas, agentes envolvidos, ações, recursos necessários e indicadores de eficácia e efetividade; e o Sistema Nacional de Informações sobre a Bioeconomia (Sinbio), que integrará as informações sobre esse ramo econômico, como oportunidades de mercado e novas tecnologias.

Tramitação
O projeto será analisado inicialmente nas comissões de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia; de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois seguirá para o Plenário da Câmara.

Artigo Original: Agência Câmara Notícias

Total
0
Shares
Anterior
Brasil recebe mais de 7,7 milhões de vacinas Pfizer para crianças

Brasil recebe mais de 7,7 milhões de vacinas Pfizer para crianças

Mais de 7,7 milhões de doses de vacinas contra Covid-19 da Pfizer para crianças

Próximo
As vantagens do Seguro Garantia com a chegada da nova Lei das Licitações
Rosane Mota, executiva da RM7 Seguros / Reprodução

As vantagens do Seguro Garantia com a chegada da nova Lei das Licitações

Rosane Mota, executiva da RM7 Seguros, revela os pontos mais relevantes da

Veja também