Reforma não vai alterar questão da herança no Rio, mas serviços do cartório devem encarecer, diz especialista

Virgínia Arrais, 32ª Tabeliã de Notas da Cidade do Rio de Janeiro/ Foto: Divulgação
Virgínia Arrais, 32ª Tabeliã de Notas da Cidade do Rio de Janeiro/ Foto: Divulgação

Estado já pratica alíquota progressiva máxima prevista na nova lei sobre bens e heranças; novo imposto deve encarecer outros serviços cartoriais

O Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD) é um imposto relacionado à herança que faz parte da carga tributária brasileira e que passou a ser mais discutido pela população após a aprovação da reforma tributária pelo Congresso.

O ITCMD, hoje, incide sobre heranças e doações, abrangendo diversos tipos de bens e direitos, com alíquotas que variam de 2% a 8%, de acordo com cada Estado. A cobrança para bens imóveis ocorre no Estado onde o imóvel está situado, enquanto para bens móveis, a cobrança é feita no Estado onde ocorre o inventário.

Com a reforma, o tributo terá uma alíquota progressiva conforme o valor do legado ou doação. Além disso, não haverá cobrança em doações para instituições sem fins lucrativos de relevância pública e social, incluindo entidades religiosas, organizações assistenciais e institutos científicos e tecnológicos.

“No Rio de Janeiro, já conseguimos notar um aumento no número de pessoas que foram a cartórios tentando antecipar essa transferência de bens a herdeiros tentando ‘fugir’ da reforma tributária. As pessoas não têm a informação, porém, que a reforma não vai impactar o ITCMD no Rio porque o Estado já aplica a alíquota progressiva até a máxima de 8%, que é a mudança que a reforma traz para ser implementada em todos os Estados. Em São Paulo haverá, sim, impacto, pois uma legislação estadual regulamentava a alíquota máxima de 4%. Com a progressão, vai dobrar o imposto. No Rio, a alíquota progressiva vale desde o final de 2015. É uma falsa sensação dos cariocas que a reforma irá atingi-los nesse sentido”, explica Virgínia Arrais, 32ª Tabeliã de Notas da Cidade do Rio de Janeiro, especialista em direito notarial e registral, doutoranda e mestre em direito e MBA em Poder Judiciário pela FGV/Law

A especialista prevê que o preço do serviço praticado pelos cartórios deve subir. “Hoje, nossa tabela consta o valor do Imposto Sobre Serviços (ISS) que incide sobre as atividades cartorárias para o usuário. Como o ISS será substituído pelo Imposto sobre Bens e Serviços, e a nova alíquota prevista é de 27,5%, bem maior da que praticamos hoje [5%], isso vai ter impacto no preço dos serviços que cobramos hoje. Ainda não sabemos, porém, se a Justiça do Rio irá permitir esse repasse integral ao usuário, se os cartórios irão arcar com isso. Volto a dizer: isso diz respeito ao valor de nossos serviços, e não na prestação do nosso serviço para os usuários”, argumenta.

Total
0
Shares
Anterior
Até 20% off: Vital Card prorroga campanha de redução de preços
Rafael Turra, diretor da Vital Card / Foto Divulgação

Até 20% off: Vital Card prorroga campanha de redução de preços

Próximo
PagBank abre inscrições para programa de capacitação em tecnologia para mulheres
Ferramenta gratuita da Pluggy permite que devs criem soluções para Open Finance/ Foto: Unsplash

PagBank abre inscrições para programa de capacitação em tecnologia para mulheres

Um dos maiores bancos digitais do país oferece 50 vagas exclusivas para mulheres

Veja também