Bradesco Seguros

Região Norte apresenta o maior crescimento do País de empregos na saúde

18% das organizações de saúde possuem mecanismos de defesa de dados/ Foto: Freepik
Foto: Freepik

Setor privado teve alta acentuada de 6,9% no trimestre, acima da média nacional; Segmento acumula mais de 4,9 milhões de vínculos, aponta estudo do IESS

O Brasil encerrou o mês de março com 4,9 milhões de empregos na cadeia produtiva da saúde. A região Norte se sobressaiu e fechou o trimestre com 157,2 mil vínculos referentes ao setor privado com crescimento de 6,9%, acima da média nacional (1,5%). As informações são do Relatório do Emprego na Cadeia Produtiva da Saúde nº 70, publicação do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS).

O estudo considera os setores público, privado e empregos diretos e indiretos sendo que do total, a grande maioria (81,5%) corresponde, justamente, a vínculos formais do setor privado. As regiões Norte e Centro-Oeste se destacam com o mesmo percentual (12,5%), quando considerado o peso da cadeia no mercado de trabalho total.

Depois do Norte, as regiões que mais cresceram no setor privado, levando-se em conta a variação percentual do trimestre foram o Sudeste (2,3%), Nordeste (1,2%), e Centro-Oeste (0,4%) O Sul teve variação negativa (-1,2%) no período.

Maior concentração no Sudeste

O relatório mostra ainda que, pouco mais da metade do total de vínculos da cadeia da saúde (2,5 milhões) pertencem ao Sudeste. No entanto, a região que registrou o maior crescimento percentual no trimestre (2,1%) foi o Norte, seguido do Sudeste (1,8%), Centro-Oeste (1%) e Nordeste (0,7%). O Sul apresentou variação negativa
(-1,1%) no período.

“O crescimento de empregos na cadeia da saúde no Brasil foi puxado, especialmente, pelo setor privado, já que o setor público fechou o trimestre com leve queda (-0,9%). Nota-se que o segmento como um todo segue forte e aquecido. Com exceção do Sul, as demais regiões do País apresentaram indicadores positivos em volume de contratações”, observa o superintendente executivo do IESS, José Cechin,

Já o saldo mensal de oportunidades, registrado em março, foi de 2,2 mil empregos no setor. No acumulado do ano, considerando os subsetores, o que mais gerou empregos formais na cadeia foi o de prestadores (130,8 mil), seguido por fornecedores (45,5 mil). Já operadoras tiveram saldo de 6,9 mil postos de trabalho. No total, o saldo do setor privado (183,3 mil) representa 13,2% do volume gerado pela economia (1,4 milhão).

Para acessar o relatório na íntegra, clique aqui.

Total
0
Shares
Anterior
Udemy anuncia Bruno Barreto como vice-presidente para a América Latina
Bruno Barreto, vice-presidente da Udemy na América Latina / Foto: Joice Barreto / Divulgação

Udemy anuncia Bruno Barreto como vice-presidente para a América Latina

Barreto traz com ele uma experiência de mais de 11 anos no Google Cloud, em que

Próximo
Generali lista cinco insights da Febraban Tech 2024
Arena Fintech do Febraban Tech 2024 terá palestras com o pesquisador italiano Paulo Sironi e com o futurista Walter Longo / Reprodução

Generali lista cinco insights da Febraban Tech 2024

Entre a fidelização de clientes e a segurança de dados, o evento destacou as

Veja também