Youse dá dicas para economizar no seguro em 2023

Youse dá dicas para economizar no seguro em 2023 / Foto: Jagmeet Singh / Pexels
Foto: Jagmeet Singh / Pexels

Personalização de coberturas e assistências, classe de bônus e descontos são opções atrativas para aqueles que buscam economizar no seguro

Os objetivos financeiros sempre estão no topo das listas de resoluções para o ano novo e, para ajudar a organizar o orçamento de 2023, a Youse selecionou algumas dicas que podem fazer a diferença nas finanças na hora de contratar ou renovar o seguro.

Nícolas Ferrara, Gerente de Produto da plataforma de seguros 100% digital, mostra como ofertas de personalização, pagamento e programas de recompensas podem fazer a diferença no bolso ao fim do mês.

1. Seguro Personalizável

A primeira dica é escolher um seguro personalizável, no qual o cliente consiga escolher quais coberturas e assistências fazem sentido ter em sua apólice naquele momento de vida. A personalização é uma vantagem presente nos três produtos da Youse: o Seguro Auto, Residencial e Vida.

“No caso do Seguro Auto, por exemplo, o primeiro passo é avaliar a finalidade do veículo. Vou utilizar este carro para viagens, uso comercial ou apenas para algumas atividades do dia a dia? Dependendo da frequência de uso, o cliente consegue avaliar se determinada cobertura é realmente necessária. Outros fatores como a região onde o cliente reside pode ser um direcional para avaliar as necessidades de proteção contra eventos da natureza, por exemplo”, comenta Ferrara.

“Se o cliente passa grande parte do dia no trânsito, existe maior probabilidade de colisão ou, dependendo da região, pode haver mais chances de o veículo ser roubado. Se o cliente sair apenas aos fins de semana e o veículo passar grande parte da semana estacionado na rua, o risco de colisão reduz, mas a probabilidade de um furto aumenta”, completa.

2. Classe de bônus

A classe de bônus é um desconto oferecido como benefício para quem não acionar nenhuma das coberturas enquanto o seguro estiver ativo. A classe utiliza uma escala de 1 a 10, na qual o cliente ganha um ponto quando completa um ano sem acionar as coberturas de roubo e furto, colisão, incêndio, alagamentos, entre outros. Na Youse, o desconto da classe de bônus pode chegar a até 50% do valor original do seguro.

“Os pontos são cumulativos e associados ao segurado, então mesmo que ele mude de seguradora não vai perder sua pontuação. O uso das assistências do seguro não influencia na classe de bônus, ou seja, o cliente pode usar quantas vezes precisar, respeitando os limites de contratação porque os pontos não serão afetados”, afirma Nícolas.

3. Descontos e programas de recompensa

Na Youse, o seguro pode ser contratado de maneira 100% digital, pelo aplicativo ou site da marca. Quem preferir, também pode cotar via call center ou por meio das plataformas parceiras em que o seguro está disponível. O cliente ainda pode pagar o seguro mensalmente com cobrança direto na fatura do cartão de crédito e sem comprometer o seu limite total, pagar à vista com Pix ou em 10 vezes, com contrato válido por 12 meses, e ganhar mais descontos.

“Existem alguns programas que oferecem descontos aos segurados, como por exemplo o ‘Youse Friends’, em que o cliente pode receber recompensa em pontos para trocar por dinheiro e receber de volta até 50% do valor anual pago pelas coberturas”, explica. Há também o programa de indicação, em que o cliente ganha uma recompensa em dinheiro a cada amigo dele indicado que contratar o seguro auto Youse e a vantagem se estende ao novo cliente que recebe o mesmo valor em desconto no preço da sua apólice”, finaliza o Gerente de Produto.

Total
0
Shares
Anterior
Câmara aprova intervenção federal no DF por unanimidade; Senado vota nesta terça

Câmara aprova intervenção federal no DF por unanimidade; Senado vota nesta terça

Em sessão extraordinária na noite dessa segunda-feira (9), a Câmara dos

Próximo
Relatório preliminar estima que prejuízo com invasão à Câmara já supera R$ 3 milhões

Relatório preliminar estima que prejuízo com invasão à Câmara já supera R$ 3 milhões

Bruno Spada/Câmara dos Deputados Vidros do Salão Negro do Congresso Nacional

Veja também