Allianz aumenta lucro operacional em 7,1% e atinge € 3,8 bilhões

Receitas totais subiram 3,9% e alcançaram € 46 bilhões no primeiro trimestre de 2023 / Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Grupo afirma perspectiva para ano completo

De acordo com a Allianz, o volume total de negócios da companhia aumentou 5,9% no segundo trimestre de 2023, alcançando um total de € 39,6 bilhões. Além disso, a empresa registrou crescimento de 7,1% no lucro operacional, em uma cifra que chega ao total de € 3,8 bilhões. Segundo a companhia, o forte desempenho da empresa está atrelados aos segmentos de Vida/Saúde, além de P&C (Ramos Elementares). Além disso, o lucro líquido básico dos acionistas registrou um salto de 22,9%, chegando a € 2,5 bilhões.

“Os excelentes resultados da Allianz no primeiro semestre de 2023 demonstram a força de nossos fundamentos, à medida que capitalizamos a nossa escala global e o nosso mix diversificado de negócios para o benefício de clientes e acionistas. Com o crescimento de dois dígitos nos lucros, estamos no caminho certo para alcançar nossas metas para este ano”, comenta Oliver Bäte, CEO do Grupo Allianz. “Estou particularmente satisfeito com o bom desempenho do segmento de Property & Casualty (Ramos Elementares), no qual atingimos um expressivo índice combinado de 92%, com o crescimento contínuo do volume e dos lucros em Vida e Saúde, bem como com a resiliência de Gestão de Ativos, que registrou entradas líquidas positivas de terceiros pelo segundo trimestre consecutivo, apesar da disposição cautelosa dos investidores”, completa o executivo.

Além disso, nos primeiros seis meses do ano, a Allianz registrou um volume total de negócios 4,8% superior ao registrado no mesmo período do ano anterior, conquistando um total de € 85,6 bilhões. Durante o primeiro semestre, a seguradora ampliou seu lucro operacional em 14,9% – subindo para um total de € 7,5 bilhões. No período, a empresa expandiu em 90% o resultado básico dos acionistas, que rendeu € 4,7 bilhões. Também foi registrado um excelente coeficiente de capitalização Solvency II de 208%, comparado aos 201% no final do último trimestre de 2022 (excluindo a aplicação de medidas transicionais para provisões técnicas).

“Nosso sólido crescimento é um reflexo claro da confiança contínua que nossos clientes depositam em nós, para apoiá-los ao longo deste período de inflação e polarização. Essas tendências não apenas desafiam nossa economia global, mas também afetam profunda e individualmente as pessoas no nível financeiro. Com os nossos resultados e posição de capital, demonstramos que a Allianz é uma empresa que oferece soluções relevantes para as necessidades das pessoas, especialmente nestes tempos turbulentos”, diz o CEO do Grupo Allianz.

Segundo as projeções do grupo segurador, a meta de lucro operacional para 2023 foi confirmada em € 14,2 bilhões, mais ou menos € 1 bilhão (como sempre, catástrofes naturais e desdobramentos adversos nos mercados de capitais, assim como demais fatores apontados em nota de advertência com relação a declarações prospectivas, podem afetar seriamente o lucro operacional e/ou o lucro líquido das operações e os resultados do Grupo Allianz).

Além disso, a Allianz anunciou a recompra de ações de até € 1,5 bilhão em andamento: 2,9 milhões de ações adquiridas por € 0,6 bilhão até o final de julho de 2023.

Destaques financeiros  

Volume total de negócios  

  • 2T 2023: o volume total de negócios cresceu 5,9%, chegando a € 39,6 bilhões, impulsionado pelo segmento de P&C (Ramos Elementares), que se beneficiou com preços e volumes mais elevados, enquanto o crescimento de Vida/Saúde foi devido, principalmente, aos robustos volumes dos produtos do tipo single-premium nos EUA. Essa elevação foi parcialmente compensada por uma redução nas receitas provenientes dos ativos sob gestão (AuM) em Gestão de Patrimônio.
  • O crescimento da receita interna, com ajustes para transposição cambial e efeitos da consolidação, foi expressivo, de 8,7%, impulsionado pelo ramo de P&C (Ramos Elementares) e apoiado por Vida/Saúde.
  • 6M 2023: o volume total de negócios aumentou 4,8%, chegando a € 85,6 bilhões, estimulado por P&C (Ramos Elementares), apoiado pelos ramos de Vida/Saúde, e parcialmente compensado por um decréscimo em Gestão de Ativos.
  • O crescimento da receita interna foi marcante, registrando 6,4%, alavancado pelos negócios P&C (Ramos Elementares).

Receitas  

  • 2T 2023: o lucro operacional subiu 7,1% para € 3,8 bilhões (2T 2022: € 3,5 bi). Isso se deve a um resultado maior dos negócios de Vida/Saúde, nos Estados Unidos, e a um resultado de seguro mais forte em P&C (Ramos Elementares). Isso foi parcialmente compensado pelo segmento de Gestão de Ativos devido às receitas menores provenientes de AuM.
  • O lucro líquido básico dos acionistas foi expressivo com € 2,5 bilhões (2T 2022: € 2,0 bi), graças ao lucro operacional mais elevado.
  • O lucro líquido atribuível aos acionistas foi de € 2,3 bilhões (2T 2022: € 2,0 bi).
  • O lucro básico por ação (Core EPS) foi de € 11,40 (6M 2022: € 5,77). Cálculo do EPS básico (Core EPS) com base no lucro líquido básico (core net income) dos acionistas.
  • retorno sobre o patrimônio líquido (RoE) anualizado foi de 16,7% (ano completo de 2022: 12,7%). Cálculo do RoE com base no lucro líquido básico (core net income) dos acionistas.
  • 6M 2023: o lucro operacional aumentou 14,9% indo para € 7,5 bilhões (6M 2022: € 6,5 bi). Isso está relacionado a um resultado de investimento operacional mais alto em Vida/Saúde e a um resultado operacional de seguro mais elevado em Ramos Elementares (P&C). Isso foi parcialmente compensado pelo segmento de Gestão de Ativos devido às receitas menores provenientes de AuM.
  • O lucro líquido básico dos acionistas foi de € 4,7 bilhões (6M 2022: € 2,5 bi) devido a um maior lucro operacional e um melhor resultado não-operacional. O resultado não-operacional no ano anterior foi afetado por uma provisão relacionada à questão do AllianzGI US Structured Alpha.
  • O lucro líquido atribuível aos acionistas foi de € 4,4 bilhões (6M 2022: € 2,5 bi).
  • Índice de capitalização Solvency II: O índice de capitalização Solvency II foi de 208% no final do 2T 2023, comparado aos 206%, no final do 1T 2023. Incluindo a aplicação de medidas transicionais para provisões técnicas, o índice de capitalização Solvency II foi de 235% no final do segundo trimestre de 2023, comparado aos 232% no final do primeiro trimestre de 2023.

Destaques por segmento  

“Nossos resultados sólidos e a consistência da entrega estão mostrando mais uma vez a qualidade de nosso negócio.  O crescimento do volume total de negócios em nosso segmento de P&C (Ramos Elementares) foi excelente. Obtivemos expressivos aumentos nas taxas e continuamos a tomar medidas para compensar com êxito a inflação.  O desempenho nas linhas comerciais foi excepcional, como consequência da sólida dinâmica de preços e da forte disciplina de subscrição”, analisa Giulio Terzariol, CFO do Grupo Allianz.

Terzariol completa: “A lucratividade operacional em Vida/Saúde é muito forte. A sustentada criação de valor, fortemente apoiada pelo crescimento em PVNBP e por uma sólida margem de novos negócios, é a prova da nossa capacidade de entregar valor aos nossos clientes e, ao mesmo tempo, obter uma lucratividade saudável. Nosso negócio de Gestão de Ativos continuou a registrar entradas líquidas positivas no segundo trimestre, na medida em que auxiliamos nossos clientes a navegar em um ambiente desafiador. Os ativos de terceiros sob gestão permaneceram estáveis na marca de € 1,7 trilhão, comparada com o primeiro trimestre. Esse é um bom indicador de lucratividade futura. Confirmamos nossa previsão de lucro operacional para o ano completo de € 14,2 bilhões, mais ou menos € 1 bilhão”, afirma.

Seguro P&C: crescimento de dois dígitos

  • 2T 2023: o volume total de negócios saltou 8%, registrando € 17,6 bilhões (€ 16,3 bi). Ajustado para efeitos de transposição cambial e de consolidação, o crescimento da receita interna foi forte, de 11,4%, devido a um efeito de preço de 7,1% e de volume de 4,7%, ligeiramente compensados por um efeito de serviço de -0,5%. Os principais responsáveis para este aumento foram Allianz Partners, Austrália, América Latina e Alemanha.
  • O lucro operacional aumentou 10,8% e chegou a € 2,0 bilhões (€ 1,8 bi), beneficiando-se de um resultado operacional de seguros mais elevado, bem como de um melhor resultado operacional de investimento.
  • índice combinado melhorou 0,4 ponto percentual, ficando em 92,2% (92,6%). O índice de sinistralidade avançou 0,4 ponto percentual e chegou a 67,4%, beneficiando-se da redução nos sinistros decorrentes de catástrofes naturais e de um impacto positivo dos descontos. Isso foi parcialmente compensado pela maior inflação de sinistros e por um resultado menor de run-off. O coeficiente de despesas subiu ligeiramente em 0,1 ponto percentual registrando 24,8% (24,7%).
  • 6M 2023: o volume total de negócios teve alta de 9,8% e chegou a € 41,7 bilhões (€ 38,0 bi). Ajustado para efeitos de transposição cambial e consolidação, o crescimento da receita interna registrou elevação muito forte de 11,8%, apoiada por um efeito de preço de 6,4%, bem como por um efeito de volume de 5,4% e de serviço de 0,1%. Embora muitas operações tenham contribuído para esse crescimento, os principais responsáveis foram a Allianz Partners, Turquia, AGCS e Alemanha.
  • O lucro operacional aumentou 16,3%, atingindo € 3,9 bilhões (€ 3,3 bi), puxado por um resultado operacional de seguros significativamente maior e também por um melhor resultado operacional de investimento.
  • índice combinado teve melhora de 1,1 ponto percentual, chegando a 92% (93,2%). O índice de sinistralidade melhorou 0,9 ponto percentual e ficou em 67,2%, devido à redução dos sinistros decorrentes de catástrofes naturais e a um impacto favorável dos desconto. Isso foi parcialmente compensado por uma inflação de sinistros mais alta e um resultado de run-off menos favorável. O coeficiente de despesas teve melhora de 0,2 ponto percentual e ficou em 24,8% (25%).

Seguro de Vida/Saúde: lucro operacional acentuado 

  • 2T 2023: o PVNBP, o valor atual dos prêmios dos novos negócios, totalizou € 17,7 bilhões (€ 16,5 bi), levado primariamente pelos volumes maiores nos Estados Unidos provenientes de vendas promocionais de anuidades de índice fixo. Os impactos econômicos na Alemanha e na Itália, principalmente devido a descontos, teve um efeito de compensação.
  • O lucro operacional aumentou para € 1,2 bilhão (€ 1,0 bi), gerado sobretudo por um resultado maior nos Estados Unidos, levado pelo resultado negativo de hedge em anuidades variáveis no ano anterior, que se tornou positivo. A apropriação da margem de serviço contratual (CSM) permaneceu estável em € 1,2 bilhão (€ 1,2 bi).
  • A margem de serviço contratual (CSM) ficou estável com € 52,9 bilhões (€ 52,4 bi). Os novos negócios e o esperado retorno das atividades em curso foram compensados pela apropriação da CSM e por variações econômicas. O crescimento normalizado foi de 1,5% no segundo trimestre.
  • margem de novos negócios (NBM) alcançou 6,2% (6,3%). O valor dos novos negócios (VNB) cresceu ligeiramente para € 1,1 bilhão (€ 1,0 bi).
  • 6M 2023: o PVNBP recuou para € 36,2 bilhões (€ 37,6 bi), na medida em que os aumentos nos Estados Unidos e na Allianz Reinsurance foram contrabalançados por uma contribuição menor da Alemanha e da Itália.
  • O lucro operacional saltou para € 2,5 bilhões (€ 1,8 bi) por conta de um aumento no resultado do investimento operacional nos Estados Unidos, o qual foi causado pelo resultado negativo do hedge do ano anterior em anuidades variáveis que se tornou positivo. A apropriação a margem de serviço contratual (CSM) subiu ligeiramente para € 2,5 bilhões (€ 2,4 bi) e está em linha com as expectativas da companhia.
  • A margem de serviço contratual (CSM), de € 52,9 bilhões (€ 52,2 bi), é puxada por robustos novos negócios nos Estados Unidos e na Alemanha e pelo aumento esperado devido à reversão. O crescimento normalizado foi de 2,7%.
  • margem de novos negócios ampliou para 5,8% (5,5%), impulsionada pela economia favorável em todas as entidades. O valor dos novos negócios ficou estável em € 2,1 bilhões (€ 2,1 bi), por conta da compensação de resultados na França e na Alemanha.

Gestão de Ativos: estabilidade nos ativos de terceiros sob gestão 

  • 2T 2023: as receitas operacionais foram de € 1,9 bilhão, uma baixa de 2%, ajustadas para efeitos da transposição cambial. O aumento das taxas de desempenho foi mais do que compensado pela redução das receitas geradas por AuM.
  • O lucro operacional foi de € 703 milhões (€ 773 mi), uma queda de 9% em relação ao mesmo período do ano anterior. Com os ajustes para efeitos de transposição cambial, o lucro operacional caiu 7,3%. O rácio de custos/receitas (CIR) subiu para 62,5% (61,7%).
  • Os ativos de terceiros sob gestão eram € 1,662 trilhão em 30 de junho de 2023, uma redução de € 6 bilhões em relação ao final do primeiro trimestre de 2023. As entradas líquidas positivas de € 2,7 bilhões e os impactos de mercado favoráveis de € 2 bilhões foram compensados por efeitos negativos de transposição cambial de € 10,5 bilhões.
  • O total de ativos sob gestão era de € 2,163 trilhões ao final do segundo trimestre de 2023, uma redução de € 11 bilhões em comparação ao final do primeiro trimestre de 2023, incluindo saídas líquidas de € 5,9 bilhões.
  • 6M 2023: as receitas operacionais decresceram 7,5%, ficando em 3,8 bilhões, devido às receitas menores provenientes de AuM.
  • O lucro operacional foi de € 1,4 bilhão (€ 1,6 bi), uma queda de 11,1% em relação ao mesmo período do ano anterior. Com os ajustes para  efeitos  da  transposição cambial, o lucro operacional caiu 11,8%. O rácio de custos/receitas (CIR) subiu para 62,3% (60,7%). Os ativos de terceiros sob gestão somavam € 1,662 trilhão em 30 de junho de 2023, um aumento de € 27 bilhões desde o final de 2022.

Divulgação

*Observação: os resultados financeiros são baseados nas novas normas contábeis Instrumentos Financeiros (IFRS 9) e Contratos de Seguro (IFRS 17), as quais foram adotadas a partir de 1º de janeiro de 2023. Os períodos comparativos foram ajustados para refletir a aplicação dessas novas normas contábeis.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prev
Análise: quais os principais desafios e implicações da lei que regulamenta o setor de transportes de cargas?
Análise: quais os principais desafios e implicações da lei que regulamenta o setor de transportes de cargas? / Foto: Divulgação

Análise: quais os principais desafios e implicações da lei que regulamenta o setor de transportes de cargas?

Evento organizado pela Howden, em parceira com o Demarest, reuniu empresas de

Next
Empresas de serviços de limpeza que atuam nos EUA precisam de seguros específicos contra acidentes e outras situações
Empresas de serviços de limpeza que atuem nos EUA precisam de seguros específicos contra acidentes e outras situações / Foto: Towfiqu Barbhuiya / Unsplash Images

Empresas de serviços de limpeza que atuam nos EUA precisam de seguros específicos contra acidentes e outras situações

Proteger a reputação pode ajudar a construir a marca e garantir a continuidade

You May Also Like