Decisão do Copom de interromper ciclo de alta da Selic foi correta, avaliam especialistas

Após 12 altas consecutivas, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central manteve a Selic, a taxa básica de juros da economia, em 13,75%. O resultado interrompe um ciclo de alta da Selic que começou em março do ano passado. Ao Brasil 61, especialistas afirmaram que a decisão significa a reversão dessa tendência, ou seja, que a taxa deve permanecer estável nos próximos meses e começar a cair no próximo ano.

A interrupção do ciclo de alta da taxa básica de juros da economia não foi unânime, já que dois integrantes do Copom votaram pela sua elevação em 0,25%, o que faria a Selic alcançar os 14% ao ano. No entanto, prevaleceu a posição da maioria do colegiado, que entendeu ser a hora de frear a Selic.

Segundo o especialista Marcos Sarmento Melo, o cenário atual é melhor do que o previsto. “No início de 2022, havia uma perspectiva de crescimento baixo e inflação elevada. Agora, a situação se reverteu”.

Para o especialista em finanças Gabriel Rodrigues, o cenário indica estabilidade. “Existe uma previsão para queda nos juros para os próximos anos. Isso se traduz em créditos mais baixos e investimentos em potencial. A queda do dólar em 0,6% também é um fator para o fortalecimento da moeda nacional. Vivemos um momento favorável para nossas commodities, ações, e a tendência é atrair novos investidores,” comenta.

Em seu posicionamento, o Copom não garantiu que vai começar a ajustar a Selic para baixo nas próximas reuniões. O recado é de que se manterá vigilante antes de optar pela diminuição da taxa de juros. Mas o mercado aposta que isso deve ocorrer a partir do ano que vem. A projeção é de que o indicador encerre 2023 em 11,25%, segundo o último relatório do Boletim Focus.

“Na minha opinião, a decisão do Copom foi positiva. O Bacen vai esperar esse quarto trimestre antes de decidir se começa a reduzir a taxa de juros e liberar a atividade econômica”, avalia Eduardo Fayet, da Fundação da Liberdade Econômica.

Fayet explica que como alguns indicadores econômicos, principalmente aqueles relacionados às cadeias produtivas globais, oscilam, a decisão de manter a Selic neste patamar antes de ajustá-la para baixo é correta.

Para Frederico Gomes, professor de Economia do Ibmec Brasília, a manutenção da Selic aponta para o fim do ciclo de alta. “Eu creio que a gente vai ver esses 13,75% por algum tempo. O fato de a decisão não ter sido unânime passa uma mensagem de que o Banco Central ainda está preocupado com a inflação, que vem caindo, mas vem caindo de uma forma muito localizada, ainda não de uma forma espalhada”, explica.

Nos últimos dois meses, o Brasil viu a inflação recuar. Em julho, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu 0,68%, o maior tombo desde 1980, segundo o IBGE. Em agosto, a inflação caiu 0,36%. São, portanto, dois meses de deflação, ou seja, em que os preços, na média, caíram. No acumulado dos últimos 12 meses, a inflação está em 8,73%.

A avaliação dos especialistas é de que a queda da inflação é consequência também da elevação da taxa de juros pelo Copom nos últimos meses. Ou seja, a Selic cumpriu seu papel de frear a atividade econômica com o objetivo de diminuir a inflação. “Ela não deixou com que a economia avançasse sem controle”, analisa Fayet.

Inflação cai 0,36% em agosto e impacta no cotidiano dos brasileiros

Entenda impactos do aumento da taxa Selic

Contas no azul

Outro ponto que deve ser celebrado, de acordo com Sarmento, são as contas do governo este ano. Em 2020, a dívida interna chegou a bater 90% proporcionalmente ao PIB, com déficit histórico de R$ 743 bilhões. Recentemente, o Ministério da Economia anunciou um superávit primário de R$ 13,5 bilhões para 2022.

Isso indica que o governo vai arrecadar mais do que gastar este ano. “Estamos gerando superávit, ou seja, não estamos com todo esse problema como imaginamos no início,” finaliza Marcos Sarmento.

Cautela

O Copom avalia que a conjuntura ainda é “particularmente incerta e volátil'', o que requer “serenidade na avaliação dos riscos”. O Comitê acredita que há fatores que podem contribuir tanto para o aumento quanto para a queda da inflação nos próximos meses. Entre os itens que podem gerar inflação no Brasil está a persistência das pressões inflacionárias globais e a incerteza sobre a saúde das contas públicas.

Por outro lado, uma queda adicional nos preços das commodities internacionais, uma desaceleração da economia global maior do que a projetada atualmente e a manutenção dos cortes de impostos previstos até o fim deste ano podem ajudar a diminuir a inflação.

]]>Via: Brasil61

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prev
Ministério da Infraestrutura autoriza emissão de debêntures incentivadas para melhorias na Fernão Dias e em sete aeroportos da região Norte

Ministério da Infraestrutura autoriza emissão de debêntures incentivadas para melhorias na Fernão Dias e em sete aeroportos da região Norte

O Ministério da Infraestrutura (MInfra) autorizou a emissão de debêntures

Next
Especialistas celebram melhora do Brasil em ranking de inovação e destacam o potencial do país

Especialistas celebram melhora do Brasil em ranking de inovação e destacam o potencial do país

Especialistas e autoridades em inovação celebraram a evolução do Brasil no

You May Also Like