Especialistas celebram melhora do Brasil em ranking de inovação e destacam o potencial do país

Especialistas e autoridades em inovação celebraram a evolução do Brasil no Índice Global de Inovação (IGI) em live promovida pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), na última sexta-feira (30). Os participantes também destacaram que o país pode e deve subir consideravelmente no ranking se enfrentar seus pontos fracos e aproveitar o potencial das empresas brasileiras e de sua biodiversidade.

O Brasil subiu três posições no IGI, passando da 57ª posição, em 2021, para a 54ª este ano, de acordo com a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI). Ainda assim, o país está sete posições abaixo de sua melhor marca, o 47º lugar em 2011.

Soumitra Dutta, um dos responsáveis pelo IGI, ressaltou que o Brasil vem melhorando nas últimas edições do IGI. “O que é impressionante é que se você olhar para o ranking de 2020, o Brasil era o 62º. Então houve, definitivamente, uma melhora na performance do Brasil em inovação nos últimos anos. Se você comparar o Brasil com o Chile, que é o tradicional líder em inovação na América Latina, o Chile está em 50º”, afirmou.

Paulo Alvim, ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, disse que o governo tem trabalhado para desburocratizar o ambiente de negócios e torná-lo mais atraente para os investidores.

“Estamos felizes com o resultado do IGI 2022, especialmente porque entendemos que estamos indo em direção ao nosso objetivo, que é ser um líder global em inovação. Nos últimos anos, o Brasil passou da posição 62 para 54 no ranking, um avanço relevante considerando os desafios da pandemia e os impactos sociais e econômicos.”

Pedro Wongtschowski, presidente do Conselho de Administração da Ultrapar e membro do Conselho Consultivo do IGI, representou o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, no evento. Segundo ele, o Brasil ainda está longe do ideal e precisa dar atenção para alguns dos pilares do índice que tiveram desempenho bem abaixo.

“Se olharmos para os sete pilares do IGI do Brasil, podemos ver que a categoria de sofisticação empresarial é o pilar na qual o Brasil está melhor posicionado. Contudo, o Brasil não performa bem em produtos de conhecimento e tecnologia, infraestrutura e, especialmente, instituições. Isso mostra que o ecossistema de inovação brasileira precisa melhorar urgentemente, principalmente, em relação ao ecossistema de negócios”, afirmou.

O IGI é calculado a partir da média de dois subíndices: insumos de inovação e produtos de inovação. O primeiro avalia os elementos da economia que viabilizam e facilitam o desenvolvimento de atividades inovadoras e tem cinco pilares: 1) Instituições; 2) Capital humano e pesquisa; 3) Infraestrutura; 4) Sofisticação do mercado e 5) Sofisticação empresarial. O segundo capta o resultado efetivo das atividades inovadoras dentro da economia e tem dois pilares: 6) Produtos de conhecimento e tecnologia e 7) Produtos criativos.

Soumitra lembrou que o Brasil progrediu bastante no quesito sofisticação empresarial, em que ficou na 35ª colocação entre 132 países. Mas o desempenho em instituições (102) e infraestrutura (65) deixou a desejar. Uma das estratégias para que o país avance, acredita, é “criar uma cultura de inovação”.

“É importante ter algum tipo de estratégia nacional para a inovação. Na maioria dos países, há o entendimento do presidente ou do primeiro-ministro de que a inovação é importante para o futuro do país.”

“No mundo inteiro, a grande agenda é a de desenvolvimento industrial”, diz diretor de Educação e Tecnologia da CNI

5G vai revolucionar indústria de games, hardwares e softwares

Potencial

Convidado para comentar como o Brasil pode melhorar a sua produtividade, Dennis Herszkowicz, CEO da TOTVS, destacou que a indústria é o setor que mais contribui para isso. “Sua relevância não pode ser subestimada. Ela representa mais de 20% do PIB e dos empregos no país. Também responde por cerca de 70% das exportações do Brasil”, disse.

Dennis Herszkowicz acredita que o caminho para aumento da produtividade e do aumento da renda da população passa por cinco fatores. São eles: a diminuição da informalidade; o aumento da digitalização da economia, sobretudo das pequenas empresas; a disseminação de manufaturas limpas; melhor uso dos institutos de ensino técnico; melhoria do ambiente de negócios.

Os participantes também reforçaram que o Brasil tem vantagens sobre a maioria dos países quando o assunto é inovação aliada ao meio ambiente. “Eu acho que o Brasil pode e deve tentar usar a biodiversidade como uma força, tentar fazer mais pesquisas nessa área e construir mais empresas globais, como a Natura, baseadas em sustentabilidade, preocupadas com o meio ambiente. Ele poderia liderar essa área, porque basta olhar os recursos naturais que o Brasil tem e outros países do mundo não tem”, disse Soumitra.

Ranking

Os dez países mais bem colocados no IGI de 2022 são: Suíça, Estados Unidos, Suécia, Reino Unido, Holanda, Coreia do Sul, Singapura, Alemanha, Finlândia e Dinamarca.

Em relação ao ranking de 2021, o Brasil ultrapassou o México e a Costa Rica e, agora, só está atrás do Chile na região da América Latina e Caribe.

]]>Via: Brasil61

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prev
Decisão do Copom de interromper ciclo de alta da Selic foi correta, avaliam especialistas

Decisão do Copom de interromper ciclo de alta da Selic foi correta, avaliam especialistas

Após 12 altas consecutivas, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco

Next
Terceira Seção admite revisão criminal contra decisão monocrática que restabeleceu sentença condenatória

Terceira Seção admite revisão criminal contra decisão monocrática que restabeleceu sentença condenatória

Para a Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), é cabível o

You May Also Like