Em seminário internacional, Estratégia Rotas de Integração Nacional é apresentada a representantes de outros países

Na manhã desta terça-feira (16), foi realizado o segundo dia do seminário internacional que apresentou a Estratégia Rotas de Integração Nacional, programa que atua na promoção do desenvolvimento das regiões e no fortalecimento das cadeias produtivas locais, a representantes de países parceiros do Brasil. Cerca de 90 pessoas estiveram presentes. Além de brasileiros, representantes de Argentina, Chile, Colômbia, Angola, El Salvador, México, Santa Lúcia, Uruguai e Peru também acompanharam a sessão.

Durante o evento, os participantes também conheceram o funcionamento da Plataforma Rota-S, que conta com uma página na internet e uma versão para smartphones, disponível gratuitamente nas lojas de aplicativos com o nome Rotas de Integração Nacional.

Técnicos do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) explicaram as funcionalidades da Plataforma Rota-S aos participantes, que aprenderam os passos necessários para a inclusão de informações para a criação de um novo polo das Rotas de Integração Nacional e para o cadastro dos produtores e produtos na ferramenta digital. A ideia é que os próprios produtores do Brasil e do exterior que usarem a Rota-S alimentem a plataforma com informações.

“Um diferencial da Plataforma Rota-S é que os próprios produtores são responsáveis por inserir e gerir as informações no sistema. Porque eles são os atores principais desse processo. E o seminário é importante para mostrarmos as boas práticas de inclusão produtiva e desenvolvimento regional que estão sendo desempenhadas no Brasil e como elas podem ajudar no crescimento dos nossos vizinhos”, reforçou a secretária nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano do MDR, Sandra Holanda.

Quem acessar a página ou o aplicativo da Rota-S vai encontrar dados como os tipos de Rotas existentes, os polos que já estão em funcionamento por todo o País e quais cidades integram cada unidade. Também é possível conhecer um breve histórico de cada cadeia produtiva apoiada pela Estratégia e fazer um cadastro de produtos. Nesta última etapa, o produtor deve informar a Rota de que faz parte, qual polo integra e inserir dados da empresa.

“A Plataforma é uma forma de dialogarmos com os produtores das Rotas, de democratizarmos o conhecimento e promovermos a transferência de tecnologia entre os polos. Isso fortalece a capacidade produtiva e tem impacto para o desenvolvimento regional”, destacou a coordenadora-geral de Sistema Produtivos e Inovadores do MDR, Valquíria Duarte.

Para Romélia Souza, especialista em Projetos de Cooperação Técnica Internacional do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), a Rota-S tem potencial para impactar positivamente a troca de experiências entre produtores dos diferentes países. “Essa plataforma tem impacto de conectar países, territórios e regiões e, dessa forma, faz sua contribuição para a redução das desigualdades”, disse.

O seminário foi realizado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional e contou com o apoio da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Fundação Arthur Bernardes (FUNARBE), Universidade Federal de Viçosa (UFV), Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), Instituto de Políticas Públicas e Desenvolvimento Sustentável (IPPDS) e Instituto Avaliação.

A sessão desta terça-feira também contou com apresentações de casos de sucesso em cadeias produtivas do País. Um deles foi do Polo Sertão do São Francisco da Rota do Cordeiro, em Pernambuco. O outro foi da cadeia produtiva da avicultura de corte em Goiás.

Rotas de Integração Nacional

As Rotas são redes de arranjos produtivos locais associadas a cadeias produtivas estratégicas capazes de promover a inclusão produtiva e o desenvolvimento sustentável das regiões brasileiras priorizadas pela Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR). Buscam promover a coordenação de ações públicas e privadas em polos selecionados, mediante o compartilhamento de informações e o aproveitamento de sinergias coletivas a fim de propiciar a inovação, a diferenciação, a competitividade e a sustentabilidade dos empreendimentos associados, contribuindo, assim, para a inclusão produtiva, inovação e o desenvolvimento regional.

Atualmente, há 11 Rotas reconhecidas: do Açaí, da Biodiversidade, do Cacau, do Cordeiro, da Economia Circular, da Fruticultura, do Leite, do Mel, da Moda, do Pescado e da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

“As Rotas têm esse caráter de promover o desenvolvimento regional, beneficiando milhares de pessoas que integram essa iniciativa”, disse o diretor de Desenvolvimento Regional e Urbano do MDR, Francisco Soares Júnior. “E a Rota-S vai facilitar o intercâmbio de informações entre os produtores para desenvolvermos ainda mais as Rotas”, reforçou.

]]>Via: Brasil61

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prev
Grupo coordenado pelo ministro Marco Buzzi lança cartilha sobre superendividamento do consumidor

Grupo coordenado pelo ministro Marco Buzzi lança cartilha sobre superendividamento do consumidor

Grupo coordenado pelo ministro Marco Buzzi lança cartilha sobre

Next
Produtores de Corumbá de Goiás (GO) se mobilizam para iniciar ações do Polo da Rota da Fruticultura da Ride-DF

Produtores de Corumbá de Goiás (GO) se mobilizam para iniciar ações do Polo da Rota da Fruticultura da Ride-DF

As ações do Polo de Fruticultura da Região Integrada de Desenvolvimento

You May Also Like