Nova carteira do Ibovespa B3 tem 89 papéis

Nova carteira do Ibovespa B3 tem 89 papéis / Foto: Tima Miroshnichenko / Pexels
Foto: Tima Miroshnichenko / Pexels

Principal índice do mercado brasileiro serve de referência para investimentos como ETFs e fundos; Bolsa também divulga hoje as novas carteiras dos demais índices, incluindo o ISE B3

A nova carteira do Ibovespa B3, principal indicador do desempenho das ações mais negociadas da Bolsa, será composta por 89 papéis, de 86 empresas brasileiras (ações ordinárias, ON, e preferenciais, PN, de uma mesma companhia também podem integrar o indicador). Válida de hoje, 2 de janeiro de 2023, até 28 de abril de 2023, a composição registra a saída de duas empresas, Positivo Tec ON (POSI3) e IRB Brasil RE ON (IRBR3) e nenhuma entrada em relação à carteira anterior.

Os cinco ativos com maior peso na composição do índice são:

Na carteira que valerá para os próximos quatro meses, os setores com mais representatividade são: Intermediadores Financeiros (18,183%), Mineração (16,129%), Gás e Biocombustíveis (15,389%), Energia Elétrica (10,657%), Serviços Financeiros Diversos (4,287%) e Serviços Médico Hospitalares, Análises e Diagnósticos (3,276%).

Para compor a carteira do Ibovespa B3, as companhias listadas precisam cumprir alguns requisitos como: ter sido negociadas em 95% dos pregões no período de vigência das últimas três carteiras (aproximadamente 1 ano), ter movimentação financeira equivalente a pelo menos 0,1% do volume financeiro do mercado à vista no mesmo período e estar entre os ativos que representem 85% em ordem decrescente de Índice de Negociabilidade (IN), que mede o volume negociado por um ativo na bolsa. Ações classificadas como penny stock, ou seja, negociadas por valor abaixo de R$ 1,00, não estão elegíveis para entrar no índice.

Ibovespa B3

O Ibovespa B3 reúne os ativos com maior volume negociado no pregão da bolsa do Brasil e serve de referência para investimentos como os ETFs, fundos de investimentos listados em bolsa que replicam o desempenho de um índice de referência.

Além dos ETFs (Exchange traded fund), o índice é utilizado como referência para outros produtos financeiros, como os futuros de Ibovespa e as opções sobre Ibovespa.

A porta de entrada, que vai definir se um papel será incluído ou não no índice, é a liquidez, ou seja, a capacidade que essa ação tem de ser comprada ou vendida rapidamente pelos investidores.

Conheça as novas carteiras dos demais índices da Bolsa

A B3 também divulga hoje as novas carteiras dos demais índices de ações calculados pela bolsa do Brasil. Hoje, são mais de 26 índices divididos em índices amplos, de governança, por setores da economia e ESG.

Com os índices, os investidores conseguem acompanhar o desempenho de carteiras formadas por ações de diferentes segmentos da economia, além de poderem diversificar seus investimentos por meio de produtos financeiros referenciados a esses índices, como os ETFs e os fundos de ações.

Há índices setoriais, como o IFIX B3, que acompanha o desempenho médio das cotações dos fundos imobiliários negociados na bolsa; o IAGRO B3, ligado ao agronegócio; além dos índices ESG, como o ISE B3, que reúne as empresas com as melhores práticas de sustentabilidade, o IGPTW B3, que reúne as melhores empresas para trabalhar e o ICO2, que oferece aos investidores um indicador com empresas que medem suas emissões de gases de efeito estufa.

Recorde de participação de empresas no processo seletivo do ISE B3 2023

A B3 anunciou as empresas que passam a compor a 18ª carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE B3): são 70 companhias, de 37 setores da nossa economia. Juntas, as empresas somam R$ 2.284.925.576.178,56 trilhões em valor de mercado, 54,24% do total do valor de mercado das companhias com ações negociadas na B3, com base no fechamento de 29/12/2022. A carteira do ISE B3 2022 era composta por 47 empresas.

Neste ano, houve um novo recorde de empresas que participaram do processo do ISE B3: foram 183 empresas, um crescimento de 38% em relação às 133 de 2021. Desse total, 83 aplicaram como elegíveis, 10 a mais do que as 73 registradas no ano anterior. As outras 100 companhias responderam ao Simulado ISE B3, uma alternativa de acesso gratuito para empresas abertas e fechadas, que podem utilizar o questionário como referência de boas práticas.

O Índice de Sustentabilidade Empresarial é o principal índice ESG do mercado brasileiro. Criado em 2005, ele foi o quarto índice de sustentabilidade no mundo e reúne em uma carteira teórica as empresas de capital aberto com as melhores práticas de sustentabilidade, que participam voluntariamente de um processo de seleção que avalia seu desempenho em diversos aspectos. As informações do ISE ajudam as companhias a avaliarem suas jornadas em relação à temática, e os investidores que utilizam essa agenda como critério de alocação para direcionarem seus recursos.

Prévia das carteiras dos índices B3

A composição das carteiras do Ibovespa B3 e dos demais índices de ações calculados pela bolsa do Brasil é revisada a cada quatro meses, em janeiro, maio e setembro, com a possibilidade de entrada e saída de empresas de acordo com a metodologia de cada índice.

Além da carteira oficial, a B3 divulga três prévias das carteiras: no primeiro pregão do último mês de vigência da carteira; no pregão seguinte ao dia 15 do último mês de vigência da carteira e no penúltimo pregão de vigência da carteira, para que investidores e gestores de fundos, por exemplo, tenham previsibilidade quanto à necessidade de fazer ajustes no peso de cada papel em suas alocações.

Confira a composição do Ibovespa B3 e demais índices (.xls)

Confira entradas e saídas das novas carteiras (.xls)

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior
Golpe imobiliário tende a aumentar durante temporada de férias
Golpe imobiliário tende a aumentar durante temporada de férias / Foto: Efrem Efre / Divulgação

Golpe imobiliário tende a aumentar durante temporada de férias

Próximo
O início do governo Lula para o mercado financeiro
Paulo Cunha, CEO da iHUB Investimentos / Divulgação

O início do governo Lula para o mercado financeiro

Veja também