Por que é essencial viajar com seguro viagem para os Estados Unidos?

Por que é essencial viajar com seguro viagem para os Estados Unidos? / Foto: Steven Abraham / Unsplash Images
Foto: Steven Abraham / Unsplash Images

CORIS explica o sistema de saúde do destino e como escolher a melhor proteção para viagem dos seus clientes

Apesar de os Estados Unidos não exigir a contratação de um seguro viagem para os visitantes entrarem em seu território, é altamente recomendável que o viajante tenha uma apólice para cobertura para despesas médicas, hospitalares e odontológicas. A CORIS, empresa especialista em seguro viagem e detentora do selo inédito de ‘Melhor Empresa Para se Trabalhar – GPTW’ no ramo de seguros e assistência ao viajante, explica o porquê.

Muitos destinos ao redor do mundo exigem que os turistas tenham um seguro viagem para entrar no país, isso porque tais nações não querem arcar com as despesas médicas de cidadãos estrangeiros, evitando rombos na saúde e preservando a administração pública de dívidas. Os Estados Unidos, no entanto, não se preocupam com isso, pois o seu sistema de saúde pública é extremamente limitado. A maioria dos americanos só tem acesso à saúde privada, e o mesmo vale para os turistas.

Por isso, na hora de oferecer um seguro viagem aos seus clientes, os agentes de viagens e os corretores de seguros precisam explicar a importância da contratação de uma boa cobertura. Mais importante ainda é informar aos viajantes que os hospitais, clínicas e profissionais da saúde dos Estados Unidos estão entre os mais caros do mundo.

Testes diagnósticos e medicamentos custam muito mais do que no Brasil – e são cobrados em dólar. Um simples atendimento hospitalar no país pode custar mais de US$ 5 mil, uma diária de internação até US$ 10 mil, e as cirurgias e atendimentos complexos podem ultrapassar os US$ 50 mil.

Outro motivo para a contratação de um seguro viagem mais completo para o destino são os elevados números de atendimentos que a CORIS faz de turistas no país. Em 2019, por exemplo, 25% dos passageiros que acionaram o seguro viagem estavam nos Estados Unidos. Do total de atendimentos registrados, 55% foram de ocorrências médicas, 33% de questões práticas relacionadas à própria viagem, e os 12% restantes foram solicitações de informações ou reembolso.

Por todos esses motivos, a CORIS recomenda coberturas mais completas e adequadas para quem vai aos Estados Unidos, como os planos MAX e VIP a partir de US$ 100 mil e até US$ 1 milhão. “O seguro viagem não cuida apenas do bem-estar do turista, mas também oferece uma ampla rede de apoio para atendê-lo em qualquer eventualidade”, explica Claudia Brito, sócia-diretora Comercial e Marketing da CORIS.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior
Seguros pessoais pagaram mais de R$ 1,2 bilhão em indenizações em janeiro de 2023
Seguros pessoais pagaram mais de R$ 1,2 bilhão em indenizações em janeiro de 2023 / Foto: Mikhail Nilov / Pexels

Seguros pessoais pagaram mais de R$ 1,2 bilhão em indenizações em janeiro de 2023

Alta foi de 9,1% em relação ao mesmo mês do ano anterior

Próximo
Porto Seguro é eleita como melhor seguradora para seguro viagem de 2022
Carlos Eduardo Gondim, diretor de Vida e Previdência da Porto Seguro / Divulgação

Porto Seguro é eleita como melhor seguradora para seguro viagem de 2022

Com alta de 11,8% no setor turístico, seguro viagem da Porto é vencedor da

Veja também