Grupo Bradesco Seguros

Prêmio Prudential Jovens Visionários valoriza o empreendedorismo brasileiro

Os oito finalistas do Prêmio Prudential Jovens Visionários / Foto: Aldo Barranco / Divulgação
Os oito finalistas do Prêmio Prudential Jovens Visionários / Foto: Aldo Barranco / Divulgação

Primeira edição do programa de reconhecimento internacional recebeu mais de 100 projetos de jovens empreendedores de 22 localidades do país

A Prudential do Brasil anunciou os dois vencedores da primeira edição do Prêmio Jovens Visionários, iniciativa de reconhecimento internacional que impulsiona projetos de empreendedores brasileiros com idades entre 14 e 25 anos. O primeiro lugar foi para Maria Eduarda Rocha que criou a OBM Libras, primeira olimpíada de matemática para pessoas surdas. Já o segundo lugar ficou para Lucas Faro, idealizador da Inceptum, que ensina sobre educação financeira. Os dois receberam R$ 25 mil e R$ 15 mil, respectivamente, para investir em seus projetos, e ainda irão representar o Brasil no Emerging Visionaries, cerimônia internacional que acontece anualmente na sede da Prudential, em Newark, nos Estados Unidos.

Maria Eduarda Rocha, 1º lugar do Prêmio Jovens Visionários com a CEO da Prudential Patricia Freitas e a Diretora de RH Gabriela Al-Cici / Foto: Divulgação
Maria Eduarda Rocha, 1º lugar do Prêmio Jovens Visionários com a CEO da Prudential Patricia Freitas e a Diretora de RH Gabriela Al-Cici / Foto: Divulgação

O evento aconteceu no último dia 24, no Teatro Prudential, no Rio, e reuniu os oito empreendedores que tiveram seus projetos selecionados, a empreendedora e mestre de cerimônias do evento, Sauanne Bispo, além da influenciadora e investidora Camila Farani. Também estiveram presentes as principais lideranças da Prudential do Brasil e representantes da comissão julgadora do prêmio.

Ao todo, a Prudential recebeu inscrições de 112 projetos distribuídos por 22 localidades do Brasil. Os oito finalistas são empreendedores do Amapá, Ceará, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo. Eles receberão mentoria e formação, incluindo um treinamento sobre empreendedorismo social para impulsionar o desenvolvimento de suas iniciativas.

Todos os projetos foram analisados por uma comissão técnica, composta por representantes de diversas instituições, como o economista e diretor do CIEDS — Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, Vandré Brilhante, a ativista de direitos humanos e idealizadora da Escola de Gente, Claudia Werneck, o fundador da startup de RH Empodera, Leizer Pereira, a vice-presidente e diretora de Relações Institucionais da BrazilFoundation, Monica de Roure e a repórter do jornal O Globo Glauce Cavalcanti, além de representantes da Prudential do Brasil, como os diretores de Recursos Humanos, Gabriela Al-Cici, e de Negócios, Erick Kluft.

Também compôs a banca de jurados, a CEO da Prudential do Brasil, Patricia Freitas, que valorizou a força dos jovens empreendedores. “É uma honra representar esse Prêmio e incentivar o trabalho de jovens líderes que transformam suas comunidades em ambientes mais inclusivos. Vocês são verdadeiros agentes da mudança para a construção de um mundo melhor. Queremos contribuir cada vez mais com o desenvolvimento da nossa sociedade e valorizar sempre o empreendedorismo. Parabéns a todos que participaram. Vocês já são vencedores”, afirmou.

Conheça os projetos finalistas:

1º Lugar: OBMLibras — São Paulo

O que motivou o projeto da paulista Maria Eduarda Rocha, 20 anos, foi a constatação de que as universidades brasileiras possuem poucos alunos com deficiência auditiva. Diante desta realidade, ela fundou primeira Olimpíada de Matemática em libras no Brasil. O Projeto OBMLibras foi criado em janeiro de 2022 e já impactou mais de 3.500 estudantes com deficiência auditiva em 18 estados. A OBMLibras oferece aos alunos do Ensino Fundamental e Médio a inclusão em olimpíadas visando diminuir a evasão escolar desse grupo.

2º Lugar: Inceptum — São Paulo

O estudante do Ensino Médio, Lucas Faro, 18 anos, uniu sua paixão por economia com a vontade de disseminar informações sobre saúde financeira e criou a Inceptum. Morador do Capão Redondo, um dos distritos mais periféricos de São Paulo, o jovem conseguiu uma bolsa de estudos em colégio particular e começou a se interessar por economia. O projeto dissemina a educação financeira e empreendedora para jovens de todo o Brasil por meio de uma abordagem inovadora com foco na prática e já beneficiou mais de 8 mil pessoas.

Lucas Faro, 2º lugar do Prêmio Jovens Visionários / Foto: Divulgação
Lucas Faro, 2º lugar do Prêmio Jovens Visionários / Foto: Divulgação

Demais projetos selecionados:

Mulheres de Fibra — Amapá

Impactada pela poluição causada pela construção civil, a estudante Stephany Matos, 19 anos, inscreveu o Mulheres de Fibra: projeto que utiliza telha de cerâmica que contém fibra de coco. O produto sustentável ainda é uma novidade no mercado de construção civil e possui custo acessível para a população em situação de vulnerabilidade. A iniciativa contribuiu ainda para levar mais saúde e bem-estar aos moradores da região, já que a telha reduz a temperatura nas casas.

Coletivo Mattos Produções — Fortaleza

O universitário cearense Gabriel Matos, 24 anos, morador de Fortaleza, concorreu ao prêmio inscrevendo o coletivo Mattos Produções criado para promover diversidade e inclusão por meio de atividades culturais ligadas à desigualdade e vulnerabilidade social. Formado por pessoas negras, LGBTQIA+ e de comunidades com baixo índice de desenvolvimento humano, o grupo atua com produções musicais e audiovisuais de funk, rap e favela, e já beneficiou mais de 30 talentos artísticos do Ceará.

Aí Chegou — Pernambuco

De Pernambuco, o estudante Pedro Santos, 21 anos, percebeu que os comerciantes locais não tinham se adaptado ao aplicativo de delivery da região criado durante a pandemia. Foi quando criou o Aí Chegou, que passou a atender de forma mais rápida e eficiente os donos dos estabelecimentos, unindo empregabilidade e inovação. O projeto está conectado à realidade do público beneficiado e auxilia o crescimento e o fortalecimento do comércio local.

PerifEduca — Rio de Janeiro

Stephany Nazario, 19 anos, estudante do Ensino Médio em escola pública, criou o PerifEduca, que rompe ciclos de baixa escolaridade e pobreza geracionais por meio do aprendizado. Em 2022, o projeto beneficiou mais de 340 jovens e arrecadou mais de 100 apostilas preparatórias para 58 estudantes.

Solo — Rio de Janeiro

Incomodado com a realidade de que o Brasil é um dos países que mais gera lixo plástico no mundo, o universitário Matheus Viana, 24 anos, teve a ideia de criar a startup Solo, de embalagens descartáveis a partir de resíduos da agricultura, como a folha seca da palmeira. A iniciativa contribui para diminuir a quantidade de lixo plástico no meio ambiente. Além disso, os produtos são biodegradáveis e compostáveis, podendo ser utilizados no dia a dia.

IPANU — Rio Grande do Sul

Há menos de um ano, a gaúcha Luiza Oliveira, 19 anos, criou a startup IPANU com objetivo de expandir o acesso à cultura e à alimentação de origem africana na região sul do Brasil. Liderado por mulheres negras, o projeto faz uma releitura de comidas típicas da África. Atualmente, Luiza faz parte da Associação de Afro Empreendedores do Rio Grande do Sul (Odabá).

Total
0
Shares
Anterior
Repelentes: quais métodos não funcionam?

Repelentes: quais métodos não funcionam?

A presença dos mosquitos, especialmente dos pernilongos, é um problema para

Próximo
Defesa Civil Nacional reconhece situação de emergência em mais 17 cidades do País atingidas por desastres naturais

Defesa Civil Nacional reconhece situação de emergência em mais 17 cidades do País atingidas por desastres naturais

O Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional, por meio da Defesa

Veja também