Reajuste da tabela de frete impulsiona soluções de gestão

Reajuste da tabela de frete impulsiona soluções de gestão/ Foto: Unsplash
Foto: Unsplash

Economia obtida com soluções da Sem Parar Empresas pode chegar a 5%, dependendo do tipo de tributação das empresas

No primeiro semestre deste ano, o custo médio do frete rodoviário de uma carga transportada do estado do Amazonas para São Paulo era R$ 41.076. De Roraima para São Paulo, o valor médio foi de R$ 30.538, já do Pará com destino ao Rio de Janeiro, R$ 26.002. Os valores foram calculados com base em registros de viagem de cerca de 30 mil empresas frotistas, clientes da Sem Parar Empresas, pertencente ao grupo norte-americano Fleetcor, que oferece soluções e produtos para gestão de veículos corporativos.

O menor preço médio encontrado (R$ 2.398), foi de São Paulo com destino às regiões Sul e Sudeste, e alguns estados da região Centro-Oeste, conforme o levantamento realizado pela Sem Parar Empresas com frotas de 21 estados do País. Esses valores, já bastante impactantes, são anteriores à nova tabela do piso mínimo de frete rodoviário, publicada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) em agosto, com ajustes de 3,38% a 4,77%.

O principal componente do custo é o combustível, que responde por 40% a 50% do valor do frete, seguido por outros custos de transporte, como tipo de carga a ser transportada, distância a ser percorrida, número de eixos do veículo, pedágio, taxas e tributos, seguro da carga, manutenção e a margem de lucro do transportador. O gasto médio dos 2 milhões de caminhoneiros que trafegam pelas rodovias brasileiras é de R$ 8 mil.

O mercado de frete movimenta mais de R$ 150 bilhões, mas apenas 23% (R$ 35 bilhões) é considerado formal, ou seja, que está de acordo com a regulamentação da ANTT, segundo dados da Fretebras e da Sem Parar Empresas. Isso significa que 77% do mercado de transporte rodoviário opera na informalidade, utilizando uma prática antiga e ilegal para pagamento, a carta frete.

Além do combustível, na precificação do frete é considerado também o peso da mercadoria, pois quanto mais pesado for, maior será o consumo de combustível, o desgaste do caminhão e o tempo de entrega. Um caminhão carregado de aço, por exemplo, vai demorar mais para chegar ao seu destino do que um carregado de algodão.

O volume da carga também conta. Uma mercadoria volumosa ocupa mais espaço, o que reduz a taxa de ocupação interna do veículo. O tipo de mercadoria também influencia o custo final do frete. Produtos com maior valor agregado costumam ter frete mais caro, pois o custo do seguro é maior.

Para garantir um valor competitivo de frete é fundamental que as empresas realizem a gestão do frete e das rotas de transporte, de modo a otimizar os custos. A Sem Parar Empresas oferece uma plataforma que contribui para essa gestão e permite o pagamento do frete contratado pelo embarcador ou transportador para o caminhoneiro pessoa física ou equivalente – cooperativa ou pessoa jurídica com até três caminhões. Com o apoio dessa solução, que pode ser integrada aos sistemas de gestão administrativa da empresa, é possível obter até 5% de economia no frete, dependendo do tipo de tributação.

A conta digital da Sem Parar Empresas permite cadastrar a viagem e declarar o valor do frete para a ANTT. Feito isso, o motorista recebe um cartão com o saldo do valor do frete e pode gastar como quiser durante a viagem. Além disso, a plataforma consegue segregar o vale-pedágio, para garantir o cumprimento da Lei nº 10.209/21 e a tributação correta dessa rubrica. O vale pode ser disponibilizado ao motorista nos formatos tag e cupom.

A gestão eficiente do frete permite economia processual para a empresa e resulta em ganhos tributários. Mas, para que as empresas percebam os resultados, é importante conhecer a fundo a legislação.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior
Precisamos fazer uma revolução do setor automotivo de forma sustentável no Brasil, diz presidente da CNI
Precisamos fazer uma revolução do setor automotivo de forma sustentável no Brasil, diz presidente da CNI/ Foto: Unsplash

Precisamos fazer uma revolução do setor automotivo de forma sustentável no Brasil, diz presidente da CNI

SENAI e Embrapii, com a coordenação do MDIC, vão destinar cerca de R$ 270

Próximo
64% dos brasileiros aguardam a Black Friday para comprar produtos que estavam precisando
64% dos brasileiros aguardam a Black Friday para comprar produtos que estavam precisando/ Foto: Freepik

64% dos brasileiros aguardam a Black Friday para comprar produtos que estavam precisando

Pesquisa mostra como os consumidores se preparam para a data anualmente e os

Veja também