Riscos Globais de 2024: desinformação está no topo dos riscos globais em 2024 e ameaças ambientais se intensificam

Riscos Globais de 2024: desinformação está no topo dos riscos globais em 2024 e ameaças ambientais se intensificam/ Foto: Unsplash
Foto: Unsplash

Informações falsas e desinformações são os maiores riscos no curto prazo, enquanto eventos climáticos extremos e mudança crítica nos sistemas da Terra são as maiores preocupações no longo prazo, de acordo com o Relatório de Riscos Globais de 2024.

Com base em quase duas décadas de dados originais de percepção de riscos, o Relatório de Riscos Globais de 2024 do Fórum Econômico Mundial alerta para um cenário de riscos globais em que o progresso no desenvolvimento humano está sendo enfraquecido lentamente, deixando estados e indivíduos vulneráveis a riscos novos e ressurgentes. Em um contexto de mudanças sistêmicas na dinâmica do poder global, clima, tecnologia e dados demográficos, os riscos globais estão levando a capacidade de adaptação do mundo ao seu limite.

Estas são as constatações do Relatório de Riscos Globais de 2024, publicado hoje, o qual defende que a cooperação com respeito às urgentes questões globais pode estar em falta, exigindo novos enfoques para abordar os riscos. Dois terços dos especialistas globais antecipam uma ordem multipolar ou fragmentada se formando durante a próxima década, em que potências médias e grandes disputam e estabelecem – mas também impõem – novas regras e normas.

O relatório, produzido em parceria com o Zurich Insurance Group e a Marsh McLennan, se baseia nas opiniões de mais de 1.400 especialistas em riscos globais, decisores políticos e líderes da indústria entrevistados em setembro de 2023. Os resultados ressaltam uma perspectiva predominantemente negativa para o mundo no curto prazo, que deve piorar no longo prazo. Enquanto 30% dos especialistas mundiais calculam uma possibilidade elevada de catástrofes globais nos próximos dois anos, quase dois terços esperam isso nos próximos 10 anos.

“Uma ordem global instável caracterizada por narrativas polarizadas e insegurança, o agravamento dos impactos de eventos climáticos extremos e a incerteza econômica estão dando origem a propagação de riscos acelerados – incluindo informações falsas e desinformações”, diz Saadia Zahidi, diretor gerente do Fórum Econômico Mundial. “Os líderes internacionais devem se unir para abordar as crises no curto prazo, bem como estabelecer as bases para um futuro mais resiliente, sustentável e inclusivo.”

Aumento da desinformação e do conflito

As preocupações sobre uma crise persistente do custo de vida e os riscos interligados de informações falsas e desinformações impulsionados pela inteligência artificial (IA), bem como a polarização social, dominam o panorama de riscos para 2024. A relação entre informações falsas e agitação social ocupará o palco central nas eleições que devem ocorrer nos próximos dois anos em várias economias importantes. O conflito armado entre estados é uma das cinco principais preocupações ao longo dos próximos dois anos. Com inúmeros conflitos em curso, as tensões geopolíticas subjacentes e o desgaste do risco de resiliência social estão criando um contágio de conflitos.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior
El Niño atrasa cultura do milho safrinha, que precisa estar segurada
Weverton Anicio, especialista em seguros agrícolas da VOKAN / Foto: Divulgação

El Niño atrasa cultura do milho safrinha, que precisa estar segurada

VOKAN tem soluções para seguros agrícolas em época de estiagem no Norte,

Próximo
Seguro empresarial deve crescer seis vezes o PIB em 2023
Jarbas Medeiros, presidente da comissão de riscos patrimoniais massificados da FenSeg/ Foto: Divulgação

Seguro empresarial deve crescer seis vezes o PIB em 2023

As indenizações pagas de janeiro a outubro ficaram em R$ 1,327 bilhão

Veja também