Apoio do BNDES à inovação alcança R$ 5,3 bi em operações aprovadas em 2023

Coaf e Febraban celebram Acordo para fortalecer combate à lavagem de dinheiro/ Foto: Unsplash
Foto: Unsplash

Valor foi o maior dos últimos cinco anos e representa um aumento de 132% em relação ao total aprovado em 2022, sendo de 181% se consideradas apenas operações diretas

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou R$ 5,3 bilhões em operações de financiamento à inovação no ano de 2023, um aumento de 132% em relação a 2022. Considerando apenas operações contratadas diretamente com o Banco, o total aprovado foi de R$ 3,9 bilhões, incremento de 181% sobre o ano anterior.

O crescimento foi impulsionado principalmente pelo programa BNDES Mais Inovação, lançado em setembro, que oferece custo atrelado à taxa referencial (TR) para projetos de inovação e digitalização. Em menos de quatro meses de funcionamento, o programa registrou um total de R$ 3,5 bilhões aprovados em 24 operações para projetos de diferentes segmentos da indústria.

Desse total, 12 foram operações aprovadas diretamente com o Banco para investimentos em inovação – como projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) e plantas pioneiras –, alinhados às missões da Nova Política Industrial brasileira. Entre os projetos, estão iniciativas de empresas de diferentes setores de alta tecnologia, como semicondutores, telecomunicações, saúde, mobilidade, equipamentos e motores elétricos.

Recentemente foram anunciados, por exemplo, financiamentos para a montadora de automóveis Volkswagen (R$ 500 milhões), para a fabricante de aviões Embraer (R$ 500 milhões), para a fabricante de medicamentos Hypera (R$ 500 milhões) e para a empresa de tecnologia Positivo (R$ 330 milhões, sendo R$ 258 milhões no BNDES Mais Inovação).

Na modalidade indireta, em que as operações ocorrem por meio da rede de agentes credenciados do BNDES, o programa BNDES Mais Inovação começou a funcionar em dezembro e teve outros 12 financiamentos aprovados até o fim do ano. Os investimentos, nesse caso, são destinados à difusão tecnológica e digitalização, principalmente por meio da compra de máquinas e da contratação de serviços inovadores, contribuindo para a digitalização e indústria 4.0 no segmento de micro, pequenas e médias empresas (MPME).

Divulgação
Divulgação

“O BNDES voltou a ter papel central no financiamento à inovação, em sintonia com o objetivo de promover a neoindustrialização do país, uma prioridade do governo do presidente Lula. Essas primeiras operações mostram que as condições oferecidas pelo programa podem induzir um aumento efetivo dos investimentos em inovação e digitalização, necessários para ganhos de produtividade”, afirma o presidente do BNDES, Aloizio Mercadante. “O Congresso Nacional, ao permitir que o BNDES adotasse o custo em TR para projetos de inovação, criou um instrumento essencial para a consolidação de uma indústria nacional mais inovadora”, avaliou Mercadante, destacando que o programa atraiu empresas de todos os portes, muitas delas referências em seus segmentos de atuação.

O programa BNDES Mais Inovação tem dotação orçamentária de até R$ 20 bilhões para um período de quatro anos. O instrumento é parte da estratégia definida pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial (CNDI) para promover a neoindustrialização no país, contando com a participação do BNDES e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), sob coordenação do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC). Além dos recursos disponibilizados pelo Banco, há previsão de outros R$ 40 bilhões a serem disponibilizados pela Finep/MCTI com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT).

“Os recursos fazem parte do Plano Mais Produção, braço de financiamento da Nova Indústria Brasil. Ao todo, serão destinados ao menos R$ 300 bilhões para a consolidação de uma indústria nacional mais inovadora e digital, mais verde, mais exportadora e mais produtiva”, explica o diretor de Desenvolvimento Produtivo, Inovação e Comércio Exterior do BNDES, José Luis Gordon.

O total aprovado pelo BNDES à inovação em 2023, de R$ 5,3 bilhões, contempla também projetos inovadores apoiados por meio de linhas de financiamentos tradicionais do Banco e com recursos do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel) – para operações do setor de telecomunicações – e do Fundo Clima – no caso de ações relacionadas à redução de emissões de gases de efeitos estufa e adaptação às mudanças climáticas.

O valor destinado à inovação pelo BNDES em 2023 é o maior dos últimos cinco anos, como mostra o gráfico a seguir:

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior
Mudanças nas preferências alimentares dos consumidores impulsionam restaurantes para uma economia mais verde
Mudanças nas preferências alimentares dos consumidores impulsionam restaurantes para uma economia mais verde / Foto: Divulgação

Mudanças nas preferências alimentares dos consumidores impulsionam restaurantes para uma economia mais verde

Estabelecimentos gastronômicos têm se adaptado ao crescente interesse por opções

Próximo
Reservatórios das hidrelétricas podem recarregar reservas subterrâneas de água
Foto: Divulgação

Reservatórios das hidrelétricas podem recarregar reservas subterrâneas de água

Pesquisa da Universidade da California estudou mais de 170 mil poços em 40

Veja também