Grupo Bradesco Seguros

Nanolearning: um jeito ágil de capacitar funcionários

Valdirene Soares Secato, Diretora de Recursos Humanos, Ouvidoria e Sustentabilidade no Grupo Bradesco Seguros / Divulgação
Valdirene Soares Secato, Diretora de Recursos Humanos, Ouvidoria e Sustentabilidade no Grupo Bradesco Seguros / Divulgação

Modelo de capacitação via nanolearning é apresentado em artigo de Valdirene Soares Secato, Diretora de Recursos Humanos, Ouvidoria e Sustentabilidade no Grupo Bradesco Seguros

O avanço da tecnologia permitiu coisas maravilhosas, inimagináveis nas décadas passadas e ainda hoje. Uma dessas novidades foi o ensino a distância, que só cresceu nos últimos dois anos. Dados do Censo de Educação a Distância (ABED), indicam que a procura por esta modalidade de ensino aumentou ao menos 50% de 2020 para cá. O formato, que antes era uma opção, virou quase obrigatório nos períodos de restrição causados pela pandemia – e segue com tudo. Em 2021, seis de cada dez ingressantes do ensino superior entraram em cursos a distância (EAD). 

Essa tendência é acompanhada pela educação corporativa, com empresas investindo cada vez mais na capacitação online, que as permite atingir uma grande quantidade de profissionais, por vezes espalhados em um país imenso como o Brasil. Pelo ambiente digital é possível entregar muito mais conteúdo de qualidade em bem menos tempo, aumentando assim a capilaridade na capacitação. As opções de formato online também crescem a cada dia: são Textos, vídeos, podcasts, infográficos e muito mais. Pensando no sucesso de uma plataforma online de educação corporativa deve-se oferecer materiais que se encaixe no gosto e na rotina de cada um dos profissionais. 

Um novo formato que surgiu recentemente e que gostaria de refletir neste artigo é o nanolearning. Com a disputa cada vez mais acirrada pela atenção, dados os inúmeros estímulos que recebemos a todo instante, criar conteúdos relevantes, que se encaixem nestes curtos espaços, é um grande desafio. Surge aí o nanolearning, que consiste em doses de conhecimento que podem ser encontradas em diversos formatos, pensada para ser consumido em até dois minutos. 

De acordo com pesquisa da Microsoft Corp, o tempo médio de concentração hoje é de apenas oito segundos, quatro a menos do que a média nos anos 2000. Por isso, formatos curtos como os descritos acima estão florescendo tanto no mercado. Mas não se engane: não é apenas produzir conteúdo deste tipo, o material deve ser pensado como complementar a outras modalidades e deve ser coeso com o todo, permitindo que o funcionário o utilize para aprender alguma novidade rápida ou fortalecer o conhecimento em outras áreas. 

Consiste em uma otimização de tempo: nos dois minutos entre uma reunião e outra que o funcionário navegaria em uma rede social, por exemplo, ele pode utilizar este período para aprender sobre um novo produto, serviço ou até temas mais gerais para o dia a dia. Entretanto, para que ele consiga otimizar tempo na rotina é necessário que a educação corporativa seja de fácil acesso. Não adianta disponibilizar conteúdos rápidos, mas que só podem para ser acessados via computador, ele precisa ser versátil e a plataforma de entrega também. 

A tecnologia, como exposto, muda toda uma atmosfera – de formatos a tempo de atenção -, se adequando às necessidades de uma forma genuína. Mas, isso não diminui o desafio dos profissionais de Recursos Humanos para planejarem conteúdos relevantes e de qualidade de forma que, cada vez mais, possam capacitar os seus funcionários, os preparando para esta desafiadora realidade em que vivemos. Nosso papel é usá-la como uma poderosa aliada nessa missão de desenvolver pessoas! 

Total
0
Shares
Anterior
Curso “Destrave o Seguro de Vida” começa na segunda-feira (30 de janeiro)
Simone Magalhães, “A Fênix do Seguro” / Divulgação

Curso “Destrave o Seguro de Vida” começa na segunda-feira (30 de janeiro)

Gratuito e online, circuito de capacitação acontece entre 30 de janeiro e 02 de

Próximo
Tragédia da Boate Kiss completa 10 anos com melhorias na legislação contra incêndio e falta de qualidade dos equipamentos de segurança
Tragédia da Boate Kiss completa 10 anos com melhorias na legislação contra incêndio e falta de qualidade dos equipamentos de segurança / Foto: Pixabay

Tragédia da Boate Kiss completa 10 anos com melhorias na legislação contra incêndio e falta de qualidade dos equipamentos de segurança

Especialista destaca o que mudou e o que ainda precisa avançar na proteção

Veja também